Como vencer o desânimo: 7 erros que fazem você se deprimir e perder a paz (e como consertá-los)

Sabe aqueles dias em que você não sente vontade de fazer absolutamente nada? Eu sei que você já passou por isso. Talvez muitas vezes.

A falta de coragem se mistura com um profundo desânimo e você se sente como um derrotado.

E para piorar as coisas você começa a pensar demais e a duvidar de você mesmo, questionando se tudo o que está fazendo na vida está valendo a pena.

Isso parece familiar?

Não se preocupe, este artigo irá ajudar você.

Nele eu vou apresentar a minha “caixa de ferramentas” para vencer o desânimo.

Essas “ferramentas” são 7 mudanças de atitude que combatem 7 erros fundamentais e geram um impacto formidável na maneira como interpretamos esses períodos de desânimo e preguiça.

As idéias que vou apresentar fazem toda diferença.

Ah, também tenho um presente para você: vou te entregar um material que vai ajudar você a usar a minha estratégia favorita. Falarei disso adiante…

Preparado para conhecer o meu arsenal para vencer o desânimo?

Então vamos lá!

Mas antes peço que você compartilhe esse artigo com os seus amigos, pois muitos deles também querem aprender a vencer o desânimo:

O que são e como usar essas estratégias para vencer o desânimo

A maior parte das estratégias contidas neste artigo são provocações que vão desafiar a sua maneira pensar.

O objetivo é simples: causar uma mudança de perspectiva que faça você enxergar as coisas por um outro ângulo.

Talvez você até comece a enxergar coisas que não esteja enxergando…

Desejo abrir os seus olhos para “pontos cegos” que, ao serem percebidos, podem enfraquecer o estado de desânimo e melhorar o seu ânimo.

Leia de maneira serena, concentrada e com a mente aberta e essas idéias irão ampliar os seus horizontes.

Vamos começar a viagem! 🙂

Erro #1: Achar que você é o centro do universo

Uma grande constelação no universo

Há em nós uma tendência que nos faz colocar nós mesmos no centro de todas as coisas. Trata-se de uma arrogância presente em 99,9% de nós. A maioria nem se dá conta dela.

Quando se é o centro de tudo e se olha para todas as coisas com este olhar, qualquer pequeno balanço parece um terremoto. Tudo parece o trágico fim do (nosso) mundo.

Pura fantasia.

Coloque o pé além da soleira da sua porta, desloque-se do centro de todas as coisas para qualquer outro lugar e veja essa fantasia perder força.

Parar de se preocupar com você mesmo é um grande passo para diminuir o poder do estado de desânimo.

E ainda melhor que isso é começar a se preocupar com outras pessoas. Arrume uma maneira de ajudar quem está precisando de ajuda.

No meu caso, procuro fazer algo para ajudar alguns dos clientes que estão fazendo coaching comigo.

Muitas vezes faço para eles aquilo que sei que eles estão com dificuldade para fazer. E eles ficam surpresos e agradecidos por isso. 🙂

Isso me faz esquecer de mim mesmo e me tira daquele estado ridículo em que sentimos pena de nós mesmos, além de cativar e ajudar os meus clientes e alunos.

Essa é uma estratégia fantástica!

Eu não estou mais me questionando, perguntando se sou bom o suficiente ou se estou fazendo progresso na vida.

A ajuda que você está prestando a alguém é um progresso evidente do qual você não tem como duvidar. André Valongueiro

Talvez você não tenha alunos ou clientes para ajudar, mas certamente tem colegas de trabalho, amigos e conhecidos que podem se beneficiar de algo que você possa fazer por eles.

Eis a primeira ferramenta do meu arsenal: saia do centro do mundo e ajude outras pessoas no que estiver ao seu alcance.

Erro #2: Tentar resistir ao momento que está vivendo

Homens em uma competição de queda de braço

O desejo de estar em outro lugar e outra situação costuma surgir de maneira muito forte nos dias de desânimo e preguiça.

É como se essas mudanças pudessem resolver todos os problemas de uma vez por todas.

Uma mudança para uma nova cidade (ou um novo país), um bom dinheiro na conta bancária, o parceiro ou parceira ideal e tudo ficaria perfeito.

Sabemos que isso não irá acontecer de uma hora para outra, mas continuamos alimentando essa ilusão.

A verdade é que deixar essa vontade louca tomar conta dos seus pensamentos só irá causar mais sofrimento e piorar as coisas.

Quando percebo que estou fazendo isso eu imediatamente procuro trazer o meu foco para o presente.

Eu não estou dizendo que esses sonhos não possam se tornar realidade, mas você e eu sabemos que para realizá-los é preciso sonhar com os pés no chão e trabalhar muito.

Eles não se tornarão reais hoje só por causa do seu desânimo. É mais inteligente não se apegar a eles nesse momento.

Aqui está algo importante:

Se você não se permite viver uma situação desconfortável, você também não se permite superá-la.

Lembre-se: esse estado de desânimo e preguiça não existia antes e nem continuará existindo eternamente.

Trata-se de um estado transitório: viva-o e deixe-o ir embora.

Dois pontos para guardar na memória:

  1. Vive melhor aquele que consegue sentir-se satisfeito estando onde está no momento em que está.
  2. Vive frustrado aquele que está sempre desejando algo diferente do que possui no momento.

Se você usar o seu tempo e a sua energia para viajar em tudo o que poderia ser e não é, você estará construindo na sua cabeça um cenário cada vez mais deprimente e opressor.

Esteja presente e viva o presente. É preciso viver para superar.

Erro #3: Você não é (apenas) o que acredita ser

Homem pensando em um píer

Todos nós temos uma imagem muito bem formada de nós mesmos, uma auto-imagem que nos diz o tipo de pessoa que “somos”.

Acreditamos tanto nessa visão que nos sentimos mal quando ela é ameaçada.

É um fenômeno curioso:

  • Você acredita ser motivado. Mas quando a desmotivação bate à sua porta, você sente que algo está muito errado.
  • Você acredita ser produtivo. Mas quando a falta de ânimo para produzir aparece, você vê isso como algo inaceitável.
  • Você acredita ser bom. Mas ao receber críticas que expõem com clareza seus defeitos de caráter, você se entristece.

A verdade é que você não é apenas o que acredita ser…

Você é o que acredita ser, o contrário do que acredita ser e muitas outras coisas.

Você não é sempre motivado, produtivo e bom. Muitas vezes você será o oposto de tudo isso: desmotivado, improdutivo e inclinado ao mal.

Apenas aprenda a perceber isso e ampliar essa auto-imagem que você construiu e carrega dentro de si mesmo.

Lembre-se: você é o que acredita ser, o contrário do que acredita ser e muitas outras coisas.

Não se surpreenda quando algumas sensações que parecem incomuns surgirem em seu interior, elas também fazem parte de você.

Erro #4: Não entender que o hoje é um presente

Nascer do sol

O materialismo dos tempos que vivemos nublou a nossa inteligência de maneira vergonhosa. Sequer somos capazes de perceber o valor de um dia como o de hoje.

O raciocínio é óbvio e matemático: um dia a mais é um dia a menos.

Desperdiçar dias da nossa vida com culpas, reclamações e angústias é uma gigantesca falta de reconhecimento do valor da vida.

Um dia de desânimo continua sendo um dia de vida…

Um dia de desânimo é subtraído dos dias da nossa existência como qualquer outro, então é uma atitude inteligente viver esse dia da melhor maneira possível.

Isso não significa que tenhamos que trabalhar ou nos divertir de maneira alucinada, mas que façamos dele um dia minimamente útil.

Uma caminhada no quarteirão é imensamente mais útil do que sentar-se e alimentar com os pensamentos o seu estado de desânimo.

Vou ensinar adiante uma estratégia simples para transformar dias de desânimo e preguiça em dias mais úteis. Chegaremos lá em breve.

A propósito, você está gostando deste arsenal de estratégias para vencer o desânimo?

Então cadastre-se abaixo para receber novos artigos como esse diretamente no seu e-mail. 🙂

Está gostando do artigo?

Insira o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

Erro #5: Reclamar

Diante de um cenário onde a preguiça se mistura com um profundo desânimo, nós muitas vezes começamos a reclamar.

E é óbvio que isso não nos ajuda em nada.

Você nunca vencerá esse estado se tudo o que faz é reclamar. Reclamar definitivamente não é uma boa estratégia.

Há uma estratégia melhor.

Se você colocar a cabeça no lugar e canalizar suas energias para encontrar caminhos que o levem para fora dessa confusão de sentimentos, você ficará surpreso com a velocidade com que as coisas podem mudar.

Acredite, há em você a capacidade de se distanciar dos estados mentais negativos e caminhar para longe deles.

Lembre-se de que esse estado de desânimo e preguiça não existia antes e nem continuará existindo eternamente:

Você está nesse estado, você não é esse estado.

O meu trabalho como coach e mentor me mostra isso com tanta clareza que não tenho como não ser um otimista em relação a sua total capacidade de mudar o seu foco.

Jamais caia no erro de confundir a sua identidade com esses estados mentais transitórios: esse é um erro clássico.

Erro #6: Não entender que o desânimo é um sinal de que alguma coisa precisa mudar

Barcos navegando em um lago

Certamente algo precisa mudar…

E, felizmente, na grande maioria das vezes uma mudança de perspectiva é suficiente.

Quase 100% de tudo o que faz nos sentirmos desanimados é uma criação mental fantasiosa.

É claro que existem desânimos cuja causa é concreta e facilmente reconhecida, mas aqui estamos falando daquele desânimo que aparece “do nada”, sem avisar.

Quando esse tipo de desânimo bate à nossa porta a primeira coisa que costumamos fazer é olhar para o que pode estar errado “do lado de fora”.

“O que – ou quem – está causando esse mal-estar?”, pensamos.

Pergunta errada.

Quando o desânimo simplesmente “aparece”, é quase sempre para dentro que precisamos olhar.

Diante de cenários como esse devemos observar o que sentimos, como sentimos e, principalmente, quais pensamentos estão circulando em nossa mente.

Esses pensamentos são realmente justificados? A minha experiência mostra que, em grande parte dos casos, não.

Há bastante tempo atrás, num desses dias de desânimo e muita preocupação, escrevi para mim uma mensagem que leio sempre que me sinto daquele mesmo jeito.

Quero compartilhar ela com você:

NÃO ACHAS que te preocupas demais e perdes o sono muito facilmente? Quantas vezes, afinal, esse teu temor de que coisas horríveis pudessem te acontecer tornou-se real?

Não percebesse ainda que essas “fantasias de desgraça” que tens são apenas – como qualquer fantasia – uma mentira e que os problemas que elas usam para te plantar preocupações nunca são tão monstruosos quanto imaginas?

Descansa em paz e retoma o teu trabalho quando estiver recarregado: nenhum desses problemas resistirá à força do teu empenho. Ânimo!

Pense nisso.

Erro #7: Não entender que os pequenos passos são sempre possíveis

O Pé Grande passeando na floresta

Em dias de pouca coragem pode ser muito difícil fazer qualquer coisa e dar qualquer pequeno passo na direção desejada.

Mas esses esforços podem ser também a porta de saída para um estado de maior ânimo.

Um pequeno esforço contra a própria vontade pode mudar tudo e transformar um dia “perdido” em um dia minimamente produtivo e útil.

E essa é uma grande vitória!

Faça pequenas tarefas, tarefas que podem até parecer insignificantes, mas que “aplicam força sobre um corpo inerte”, fazendo-o entrar em movimento de maneira sutil.

É como entrar em estado produtivo suavemente, “voando baixo no radar”.

Escreva uma pequena frase de um texto que precisa ser produzido, arrume a sua cama, retire o lixo, saia para tomar um café ou caminhar…

Faça qualquer atividade, mas não se dê tempo e nem forneça a sua energia para construir na sua cabeça os grandes fantasmas que vão atormentar você.

A “Lista de Atividades”, minha estratégia favorita!

André Valongueiro pedalando sua bicicleta no Campeonato Alagoano de Triathlon

A minha estratégia favorita para vencer o desânimo nos dias em que ele resolve aparecer é muito simples: eu abro um espaço na agenda e faço aquelas coisas que levantam o meu astral.

Se for possível, eu dedico o dia inteiro apenas para fazer essas coisas.

Há anos eu mantenho uma grande lista de atividades que me fazem um tremendo bem e a consulto quando desejo fazer algo diferente para “ganhar poder”.

Segundo essa lista eu tenho algumas possibilidades interessantes para os meus dias de pouca coragem:

  • Ir à praia
  • Nadar no clube
  • Pedalar “sem rumo” pela cidade
  • Correr ou caminhar “por aí”
  • Passar longas horas em uma livraria
  • Passar algum tempo lendo um bom romance em um café
  • Assistir filmes ou seriados (ou ir ao cinema sozinho)
  • Escutar álbuns de Heavy Metal, Rock Progressivo ou Música Erudita
  • Estudar curiosidades diversas e temas leves

As atividades acima são apenas uma parte da lista, que possui atualmente 34 opções de atividades.

Essa é uma estratégia que uso com grande parte dos meus clientes e que desejo recomendar para você.

Essa lista pode fazer a diferença em dias de pouco ânimo.

Talvez você seja ocupado demais para passar longas horas em uma livraria, mas com boa vontade é sempre possível encontrar algum espaço para fazer algo que o ajude a vencer o desânimo.

É por isso que a sua lista deve conter atividades que precisem de horas e atividades que necessitem apenas de alguns minutos.

Tomar um café e ler um pouco, fazer a barba e ouvir um álbum inteiro do Iron Maiden, do Rush ou da Steve Morse Band são algumas das minhas atividades mais simples. Elas levam pouco tempo e me fazem muito bem.

Baixe o modelo e construa a sua lista agora!

É provável que você você não tenha uma lista completa das suas atividades favoritas, então baixe o material para listar as atividades que o fazem ganhar poder.

Tudo o que você precisa fazer é preencher cuidadosamente a lista com o maior número possível de opções de atividades.

Depois disso é só guardá-la e consultá-la quando achar necessário.

Se você fizer um bom trabalho ao preencher a lista, ficará supreso ao precisar consultá-la, pois sempre encontrará nela algo possível de ser realizado mesmo nos dias mais cheios e atribulados.

Acredite, essa lista pode ser uma grande aliada naqueles dias em que você não sente vontade de fazer absolutamente nada.

Conclusão

Homens caminhando no deserto

Parabéns por ter chegado até aqui. Espero que a leitura tenha sido enriquecedora e que você tenha agora o seu próprio arsenal de estratégias para vencer o desânimo.

Para finalizar, eu adoraria saber a sua opinião sobre esse artigo.

Comente abaixo e conte-me as suas impressões, dúvidas ou sugestões. 🙂

Uma última pergunta: você conhece alguém que poderia ser beneficiado por essas estratégias? Então compartilhe esse artigo com ela (use os botões acima).

E para não perder os próximos artigos não deixe de colocar o seu e-mail no campo abaixo ou ao lado, assim você receberá todas as novidades em primeira mão.

Desejo o melhor para sua vida e estou aqui para ajudar você no que for preciso.

Um grande abraço!

  • Marilia Zago

    Caramba, André! Esse post não poderia ter vindo em melhor hora! Dia sim, dia não eu me pego desanimada dessa forma, e nunca sei o que fazer a não ser “sucumbir” e esperar pelo outro dia, que sei que estarei melhor. Mas essas dicas são simplesmente incrível! Vou já fazer minha lista de atividades, muito obrigada!

    • Que bom saber disso, Marilia. É fantástico quando um novo artigo é assim tão “certeiro”!

      Pelas poucas dicas que você passou no seu comentário eu já consigo imaginar como se sente. Eu também experimento isso de vez em quando, por isso desenvolvi esse pequeno arsenal de estratégias.

      Siga em frente e qualquer dúvida passe por aqui para conversarmos.

      Um abraço!

  • Karen

    Babaquice!!!!! A primeira dica é de uma arrogância e insensibilidade típica de quem não entende NADA de depressão. Nem li o restante da matéria. Cuidado com as palavras….menos é mais!!!! Fica a dica.

  • Alex

    Curti muito o artigo, meus parabéns pela dedicação em prestar essa forma de ajuda, vai ser realmente muito útil em minha vida tudo que acabei de ler aqui.

    • Obrigado, Alex. Disponha sempre, ajudar é um grande prazer. Boa sorte no combate!

      Um forte abraço!

  • thati

    Não sabe como tem me ajudado garoto. <3

    • Muito bom saber disso, Thati. Muito bom!

      Você também sabe como a sua participação e o seu apoio me ajudam. Fique sempre por perto! 🙂

      Um abraço!

  • Dandara

    Adorei o artigo, me ajudou a colocar a cabeça no lugar, e principalmente a aceitar que estou em uma fase de transição da minha vida (estágio/ emprego, fim da faculdade, TCC e afins) e que isso vai passar. Por isso nada vai adiantar eu ficar perdendo noites e noites de sono com um turbilhão de pensamentos fantasiosos que começam e terminam sempre com um “E se…”
    Muito obrigada!

    • Perder o sono é realmente algo inútil, Dandara. Não há absolutamente nenhuma vantagem nisso.

      E sim, tudo isso vai passar e virão outras coisas. É uma luta a vida do homem sobre a terra e o importante é saber lutar o bom combate com dignidade e estratégia. 😉

      Um abraço e boa sorte com essa fase.

      Se cuide!

  • Elise

    Caiu como uma luva! Excelentes dicas!

  • Juliana Lemes

    Acho seus textos e compartilhamento de ideias motivacionais FANTASTICOS. tenho compartilhado com muitos amigos. Parabéns pela iniciativa e obrigada! O mundo precisa de pessoas dispostas assim!

    • Fico feliz que o meu trabalho esteja ajudando você, Juliana. E muito obrigado pela presença e pelas recomendações aos seus amigos, você não tem idéia do quanto isso ajuda esse trabalho a crescer e a beneficiar cada vez mais pessoas.

      Um abraço e permaneça conosco! 🙂

  • Uau andré, sensacional esse post e muito esclarecedor! Minha parte favorita com certeza é a dos pequenos passos, pois a maioria das pessoas ao nosso redor tendem a achar que “Roma foi construída em um dia”, e não é assim que funciona. Uma curiosidade: tenho bastante vontade de me tornar coach de produtividade pessoal, assim como você. Teria mais informações para me passar a respeito do que é preciso para me qualificar como tal? Obrigada mais uma vez! 🙂

    • Olá, Pamela. Presença sempre assídua por aqui. Sempre que publico algo novo já espero o seu comentário!

      Sempre que me perguntam como trabalhar com qualquer atividade que tenha o conhecimento como matéria-prima, como é o caso de um professor, um pesquisador ou um coach, eu respondo da mesma maneira: “é necessário estudar como um cavalo”.

      Sei que cavalos não estudam, mas acho que você entende o que quero dizer. 😉

      Use o formulário da sessão “Contato” e me escreva, posso te enviar algumas instruções mais práticas por lá.

      Aguardo o seu contato.

      Um abraço e até breve!

      • Hahahahaha, adorei a frase. Vou te escrever já! 😀

  • Oi, André! Olha, adorei seu artigo! Realmente, nem sempre é fácil manter o ânimo. Todo trabalho de desenvolvimento não passa de um trabalho constante, diário, contínuo em que precisamos dessas pequenas estratégias para nos ajudar. Um abraço! 🙂

    • Olá, Marta! Que bom que gostou.

      Você está correta: toda estratégia é bem-vinda para lutar o bom combate da vida!

      Obrigado pela participação, acho que é o seu primeiro comentário por aqui, certo? Apareça sempre! 🙂

      Um abraço!

      • Oi André, tudo bem? É sim. Eu acompanho o seu trabalho. Também sou Life Coach. Sou Pernambucana, só que moro em Portugal. Um grande abraço e parabéns pelo seu trabalho!!! 🙂

        • Um conterrânea e colega de profissão por aqui? Fantástico!

          Ainda não estive em Portugal, mas farei isso assim que for possível. Seja sempre bem-vinda por aqui, Marta. Torço pelo seu sucesso! 🙂

          Um abraço e vamos conversando!

          • Vamos sim, André! E quando a vier a Portugal, avise, ok? Obrigada! Um abraço! 🙂

          • Avisarei com certeza, Marta!

            Sempre que viajo envio um e-mail para a nossa lista para tentar encontrar com alguns dos leitores. No ano passado tivemos um excelente encontro no Rio de Janeiro e esse ano um aqui no Recife.

            Já estou inscrito na sua lista de e-mails e assim estaremos sempre em contato. Boa sorte com o trabalho e, se precisar de algo, não deixe de me escrever. Estou aqui para ajudar!

            Um abraço!

          • Muito obrigada, André!!!! Eu vou precisar sim. Estou no começo e tenho muito coisa para aprender. Acompanho o seu trabalho e de outros colegas aí no Brasil e os acho muito bacanas. É um trabalho lindo, inspirador e de muito significado.Um grande abraço! 🙂

  • Raymundo

    Muito bom André. Grandes dicas para aqueles dias em que parece que estamos nadando contra a maré, pulando de atividade em atividade sem conseguir acabar nenhuma, como se o problema fosse o trabalho, os outros, o mundo…Ótimo para refletir que em alguns momentos menos é mais!!! Grande artigo!

    • Obrigado, Raymundo. Bom saber que essas idéias o ajudaram de alguma forma, fico feliz por isso.

      Já viu o meu artigo sobre como trabalhar de maneira simples e altamente produtiva? Se você ainda não leu eu recomendo vivamente: http://www.valongueiro.com/como-trabalhar/

      Acho que vai lhe ser muito útil e pode fazer a diferença.

      Um grande abraço e mantenha-se por perto!

  • C. Eduardo Soares

    André;

    Este artigo falou muito comigo, talvez essas simples dicas vão me ajudar não só na parte do desânimo, mas também para sanar maus aspectos de vida e revigorar os bons.

    • Olá, Eduardo!

      Várias das estratégias presentes no artigo podem realmente para corrigir certos “defeitos” de percepção em diversos outros momentos. Você estará fazendo um bom trabalho se for capaz de fazer isso! 😉

      Um grande abraço e obrigado pela participação!

  • Lucas

    Ótima leitura! Faço minha sua “caixa de ferramentas” para vencer o desânimo. Às vezes situações diversas, conscientemente ou não, podem nos deixar desânimados e sem vontade de fazer nada, mas nessas horas refletir sobre esses 7 erros certamente nos faz repensar a vida. A leitura do artigo veio em um momento oportuno. “Se você não se permite viver uma situação desconfortável, você também não se permite superá-la.” Sem dúvida, a estratégia da “lista de atividades é a melhor arma para vencer o desânimo. Parabéns pelo trabalho!

    • A “caixa de ferramentas” é toda sua, Lucas. Use-a como achar que deve e faça o melhor proveito possível. Torço para que o artigo tenha feito a diferença para você!

      Um forte abraço e obrigado pela participação. Fique por perto!

  • Henrique

    muito bom esse artigo André.isso me fez refletir e aprender a olha em ângulos diferentes e ter uma perspectiva mais ampla de mim mesmo, e abrir a mente para novas possibilidades.

    • Fico feliz por isso, Henrique. Torço para que os “dias de baixa” possam ser encarados de uma nova maneira a partir de hoje.

      Um grande abraço e seja sempre bem-vindo!

  • Ricardo Costa

    Muito bom! O desânimo realmente bate em todos nós em algum momento, e o erro parece ser justamente o de enxergarmos tudo pior do que é, cavando ainda mais o buraco do desânimo!
    Me identifiquei com diversos pontos do texto, mas acredito que o mais importante mesmo é aprender a por as coisas em perspectiva, entender que resultados levam tempo, e que uma maré ruim não colocará tudo abaixo, desde que a gente não se desespere e perca o rumo. E no pior cenário, se perdermos, ele pode ser retomado a qualquer momento!

    • Fala, Ricardo! Tudo bem por aí?

      Obrigado pela presença assídua por aqui. Acho que você tem comentários em todos os artigos desse blog publicados até o momento. Me sinto honrado por isso! 🙂

      Fico feliz que tenha tirado proveito deste artigo.

      Um forte abraço!

  • Rodrigo Vieira

    Nossa, André, você não cansa de se superar? 🙂

    Ultimamente ocorreram várias mudanças aqui em casa, e como possível resultado dessas mudanças eu me deixei levar pelas minhas fraquezas e me tornei muito pouco produtivo esses dias: o desânimo prevaleceu fortemente e a coragem de fazer qualquer coisa, por menor que seja, se foi para quem sabe onde.

    Esse artigo me fez perceber que eu apenas estava procurando uma possível explicação e que eu estava enxergando o problema de uma maneira totalmente equívoca: o meu foco deveria ser de como me superar de tal “condição” (e não me aprofundar nela, como tentar entendê-la ou justificá-la), e essa lista de atividades é a “receita de bolo” que torna isso extremamente fácil!

    E outra dica interessantíssima que esse artigo deu é simplesmente se questionar durante esses momentos. Eu fiz um documento aqui de fácil acesso pra toda hora que eu estiver desanimado, cedendo aos meus hábitos negativos e etc eu acessar, e dentre várias perguntas, eu considero essa a principal: “O esforço necessário para realizar QUALQUER coisa é realmente tão grande assim? Qual é o REAL sofrimento?”

    O único “problema” que eu tive foi que eu só consegui descobrir quatro atividades que são legais de se fazer no desânimo e que não exigem muito esforço, e eu “copiei” a maioria delas de você. Acho que eu me fiz as perguntas erradas. No jantar hoje, quando estiver relaxado, vou me fazer novamente as perguntas necessárias para descobrir as tarefas! 🙂 Você teria alguma dica a respeito?

    E para finalizar, como de praxe, meus parabéns e meus sinceros agradecimentos, André! Você tem a habilidade (incrível, por sinal) de tornar a produtividade pessoal algo tão simples e algumas vezes até fácil de se fazer/conquistar.

    Abraços!

    • Rodrigo, você nunca deve tentar se aprofundar em pensamentos e desejos inferiores, sejam eles quais forem: pessimismo, vingança, inveja, orgulho e segue a interminável lista. Veja-os chegar, se distancie deles e deixe-os ir embora tão rápido quanto chegaram.

      O artigo basicamente fornece alguns instrumentos de reflexão para desenvolver essa capacidade.

      Quanto a sua lista de atividades eu recomendo que siga preenchendo-a aos poucos, conforme lembre de atividades interessantes. Quatro atividades é um número pequeno, mas já é alguma coisa e um bom início. Lembre de que não havia lista alguma até alguns dias atrás. Seja positivo!

      Fico feliz que tenha gostado do artigo e que ele o tenha ajudado. Obrigado pela presença e participação assídua. Novidades em breve, te escrevo nos próximos dias! 🙂

      Um abraço!

  • Maria Helena Mota

    Oi André. Como vai?
    Do outro lado do Atlântico – Portugal – para deixar a minha opinião.

    Mas vamos por partes: Adorei este artigo e todos os que li, escritos por si. A maneira como escreve é também digna de nota e cheia de bom humor. Quando li “arsenal”, eu sorri com a comparação.
    Em terceiro lugar, e não menos importante, o André responde a todos os comentários. São raros os blogueiros que o fazem.

    Quanto ao seu “arsenal” para vencer o desânimo também adorei. Naturalmente, na minha idade – 1952 – os momentos de desânimo aparecem com frequência. É como diz: um dia que passa, pode ser “um dia a mais ou a menos”.

    Estar noutro lugar longe de tudo e de todos? Bem… isso acontece constantemente. Só que, penso um bocadinho e, chego à conclusão de que, mesmo que desse a volta ao planeta, os problemas e preocupações seriam aquela companhia indesejada que está sempre presente.

    Vou anotar algumas tarefas (dicas), da sua lista e procurar pô-las em prática.
    Muito bom artigo. A sua escrita flui como as águas de um rio. Nada que possa atravessar-se no seu caminho consegue retê-las. Sinto sempre uma grande paz quando leio os seus BONS ARTIGOS.

    Obrigada pelas dicas, pelos conselhos e pela maneira como responde aos comentários. Oferece-nos o seu saber sem nos pedir nada em troca e isso é muito importante e digno de LOUVOR.

    Desejo-lhe a continuação de uma boa semana.

    Abraços.

    • Olá, Maria. Uma visita do outro lado do Oceano Atlântico por aqui, fantástico! 🙂

      Eu realmente faço questão de responder 100% dos comentários que recebo por aqui. Penso que essa resposta é o mínimo que devo fazer como agradecimento pela atenção.

      Obrigado de coração pela gentileza das palavras e pelos elogios. Há informações muito importantes para mim no seu comentário e elas certamente irão ajudar muito no desenvolvimento das próximas etapas do Valongueiro Lifestyle. Muito obrigado!

      Já se cadastrou em minha lista de e-mails? Aconselho que faça isso, pois há alguns conteúdos exclusivos para para os assinantes do site e isso irá garantir que você não perca nenhum novo artigo, áudio ou vídeo que eu publique.
      Um forte abraço e permaneça por perto!

      Até breve! 🙂

  • Gisa

    Olá André tudo bem?
    Conheci você através de um vídeo do Seiiti Arata e desde então me encantei com seu trabalho.
    Esse artigo veio a calhar, pois antes de lê-lo estava me sentindo super desanimada e baixo astral.
    Me identifiquei muito com alguns pontos abordados e o melhor pude constatar a possibilidade de melhorias e em muitos casos mudanças.
    A ajuda que você dá aos seus leitores, como eu, através de seus artigos é imensurável.
    Parabéns pelo ótimo trabalho e até a próxima!!!

    • Gisa, obrigado pelas palavras super gentis!

      Fico muito feliz que o artigo tenha aberto os seus olhos para possibilidades que antes não estavam claras. Essa era a missão do artigo!

      Torço para que permaneça por aqui conosco, pois tenhos grandes novidades para o futuro e elas seguramente vão ajudar você em outros aspectos da vida.

      Um forte abraço e obrigado por prestigiar o meu trabalho. É um prazer tê-la por aqui.

      Se cuide! 🙂

  • Aline

    Olá André.. Nem me lembro mais como cheguei ao seu artigo, ou alguém postou ou foi recomendação do face… Abri pois estou sentindo desânimo nesse determinado momento especial da minha vida eu decidi deixar para ler depois.. Passou um tempo, pois tinha certeza que se tratava das típicas auto ajudas que estou acostumada a ler… Hoje decidi ler e me surpreendi, a qualidade é muito boa. A dica do erro 3 foi fundamental para mim. Percebo que Gisa citou o Seiiti Arata abaixo, e é engraçado pois lembrei dele enquanto lia o texto, é o tipo de surpresa que também tive com o material dele.. É muito mais que uma típica auto-ajuda… É muito útil. Obrigada. Me cadastrarei no blog.

    • Olá, Aline. Tudo bem?

      Sempre acho estranho quando as pessoas se referem ao que eu escrevo como “auto-ajuda”, pois eu jamais pensei no meu trabalho sob esse título. Isso é muito interessante! 🙂

      Fico feliz que tenha gostado e que o artigo tenha lhe sido útil. Espero que já tenha feito o seu cadastro, pois estou sempre enviando novidades para os membros do Valongueiro Lifestyle.

      Agradeço a sua participação e torço para que continue conosco!

      Um abraço!

  • Sheyla Santos

    Olá André!
    Não tem como deixar de parabenizá-lo pelo excelente trabalho. Eu simplesmente amei o blog, textos super bacanas com dicas maravilhosas. Já li várias publicações e pretendo acompanhar tudo e super indico! Estou passando para vários amigos. Esse texto se enquadrou perfeitamente para mim e vou colocar tudo em prática. Mais uma vez parabéns! Bjs

    • Olá, Sheyla!

      Obrigado pelos parabéns e pelas indicações de peso aos seus amigos! 😉

      Um forte abraço e sucesso!

  • Adriana Martins

    Olá
    Gostei muito do que eu li neste artigo. No início achei que leria pouca coisa e que depois vc me “cobraria” para continuar lendo, mas vi que não é isso. Gostei muito da lista das coisas para fazer nos dias de desânimo e vou começar a fazer a minha.

    • Fico feliz que tenha gostado do artigo, Adriana!

      Eu procuro sempre publicar artigos bem completos, pois acredito que esse é o caminho para ajudar os meus leitores com o máximo de eficiência. Não deixe de olhar os outros artigos publicados, pois eles são tão completos e úteis quanto esse.

      Boa sorte com o desenvolvimento da sua lista de atividades para os dias de pouco ânimo, essa é uma ferramenta simples mas muito eficaz. E não deixe de cadastrar o seu e-mail para receber as novidades do blog.

      Um abraço e obrigado pelo comentário. Convido-a a permanecer sempre por perto!

      Sucesso!

  • Vinícius Freitas

    Rapaz. Muito bom. Estou numa fase complicada da vida. Tuas ideias tem me dado moral, e ajudado a melhorar vários aspectos da minha vida. Pra você ter ideia, a primeira vez que li um artigo teu eu estava saíndo do psiquiatra.

    • Fala, Vinícius! Tudo em ordem por aí? 🙂

      Fases complicadas são o que são: fases. As complicações não estavam presentes desde sempre e nem estarão eternamente. É ser forte e lutar com dignidade!

      Fico feliz que as minhas idéias estejam levantando a sua moral, isso é importante. E a coisa dará ainda mais resultados se você colocar em prática com dedicação sincera os métodos que proponho por aqui. Torço para que faça isso!

      Um forte abraço e obrigado pelo comentário. Torço por você!

      Se cuida!

  • Renato P. Barbosa

    Olá André. Sempre que leio seus textos faço questão de deixar meu comentário, tanto pela sua consideração em responder seus leitores, como pela qualidade do seu texto e do conteúdo que você publica. Parabéns por essas ótimas dicas, me ajudam muito. Um dos meus pontos fracos é de fato o desânimo e a indisciplina e dicas como a sua me ajudam a derrubar esses obstáculos e seguir firme nas minhas metas e na minha missão. Te desejo sucesso e que sua mensagem seja lida, ouvida e assistida por cada vez mais e mais pessoas.
    Um grande abraço e felicidades 🙂

    • Muito obrigado, Renato. Bom saber que o meu conteúdo vale o seu comentário. Isso significa muito para mim, acredite.

      Desânimo e indisciplina são pontos fracos de todos nós e toda ajuda para superar essas dificuldades é bem-vinda, por isso tomei a decisão de produzir este artigo. Fico feliz que tenho ajudado você! 🙂

      Novidades em breve. Fique por perto!

      Um grande abraço!

  • Danilo P.

    Olá André,

    Realmente achei o conteúdo de seu texto muito bom.
    E ultimamente, estou numa fase bem desanimada da minha vida que nunca tinha passado antes mas como você escreveu muito bem: “as complicações não estavam presentes desde sempre e nem estarão eternamente”.

    Gostei muito da forma que você escreve e com certeza irei aplicar suas dicas.
    Me esforçarei bastante para conseguir dar continuidade a elas e que não passem apenas como um entusiasmo deste momento.

    Mais uma vez agradeço e até mais!

    • Fico feliz que tenha gostado do artigo, Danilo!

      Pode acreditar: nossas preocupações e angústias não existiam antes e nem continuarão existindo indefinidamente, elas são completamente circunstanciais e “de momento”.

      O “grande truque” é tornar-se lúcido até o ponto de entender com total clareza que essas coisas são movimentos e pulsões do espírito que chegam, permanecem um pouco e vão embora. É tolice perder a paz ou a saúde por causa delas, por mais justificadas e sérias que elas sejam.

      Torço para que, pouco a pouco, você comece a enxergar esses desafios através de uma nova perspectiva. Vai lhe fazer muito bem. Viver pacificado não tem preço! 🙂

      Um grande abraço e sucesso!

  • Nome

    Muito bom.. Adorei vou por em pratica fico perdendo muito meu tempo em ilusões: gostaria que fosse assim ou se pudese mudar pra outro lugar outra profissão, sou bem assim sempre desanimada e muito negativa, tudo é demais: trabalhar, fazer um curso, limpar a casa, brincar do meu filho, ficar com meu marido tudo é ruim, queria poder ficar só em casa e dormir, pensa numa pessoa acomodada né? Obrigada pelo artigo adorei, hoje vou sair da minha loja e ir pra casa brincar com meu filho, mesmo que minha cabeça diga: vai pra casa toma um banho e cama, hoje vai começar a ser diferente. Obrigada

    • Torço para que já esteja sendo diferente agora. A vida é muito mais do que acomodação e murmuração acerca das dificuldades e cansaços. Torço para que o seu filho e marido já estejam colhendo os frutos do seu propósito de mudança!

      Um grande abraço!

  • Letícia

    É sempre bom ler seus artigos. Também tenho vários momentos de desânimo e sempre me pergunto se minhas escolhas foram boas, se deveria jogar tudo para o alto e começar de novo.
    Tenho 41 anos e estou buscando uma maneira de me encontrar e me sentir mais feliz com a vida que tenho.

    • Letícia

      Tem algo também que completa meu desânimo. Eu quero mudar o mundo.
      É algo impossível, mudar as pessoas, suas atitudes. Nasci numa época em que eram todos mais educados, as pessoas costumavam respeitar os demais, e hoje parece que ninguém se importa, tudo em nome da liberdade, a tal da frase a rua é pública, coisas que não se encaixam na educação que tive.

      • Letícia, o desejo de “mudar o mundo” é, quase sempre, uma grosseira manifestação da nossa vaidade. Todos temos o desejo tentador de “medir o mundo pela nossa régua”. É preciso combater isso com muito vigor.

        No entanto, há uma alternativa: mude a si mesma, torne-se exemplo, torne-se pessoa portadora de virtudes. Você irá se surpreender se fizer o firme propósito de empreender essa tarefa. 🙂

    • Letícia, é bem provável que a vida que você tenha agora já seja maravilhosa. Basta considerar que você já dispõe agora mesmo de tudo o que precisa para viver com dignidade. Você tem até mesmo algum conforto. O que vai além disso é dispensável e muitas vezes é puro capricho. Não crie falsas necessidades.

      Um abraço e obrigado pela participação!

  • WSR

    Você é um cara de extremo bom gosto: Iron Maiden, Rush e Steve Morse Band são ótimas dicas.

    • Obrigado, WSR!

      Pelo visto você também é um sujeito de bom gosto. Bom saber que tenho leitores assim! 🙂

      Um forte abraço!

  • roberta

    Bom dia André estou encantada com seu artigo hoje estou deitada na cama com uma oportunidade divina pela frente de conquistas a clientes em outra cidade por vontade própria para sair de um relacionamento chato de 20 anos mas acabei me envolvendo com uma outra pessoa casada agora não. Sei o que fazer Se trabalho se sigo em frente com meu ccasamento ou se dou continuidade nesse romance como amante que arrumei cheio de promessas mas sabemos que não. É assim grande abraço e me.ajude se puder rs

  • Wesley

    Olá André!
    Sensacional o assunto abordado e o método descrito. As vezes um pessimismo me visita de uma forma dantesca, sendo que sempre fui um “psicólogo” para terceiros. Acredito em todos, e muitas vezes duvido de mim.
    Todavia muito obrigado pelo sentimento por trás do belíssimo texto!

  • Nana, como é bom saber que os artigos estão chegando até as pessoas certas, até aquelas que realmente precisam deles. Agradeço o amável comentário e te deixo aqui os meus votos de felicidade. Torço por você e adoraria vê-la sempre por aqui.

    Um abraço e muito obrigado!

  • Paulo

    Esse artigo veio em boa hora, ando muito desanimado, o pior é que sinto isso como uma constante nos últimos tempos, me fez muito bem ler esse artigo e tentarei utilizá-lo de alguma forma, preciso! Não posso me deixar consumir por pensamentos negativos e sem perspectivas, tem sido uma luta diária, mas quero e vou mudar! Obrigado por compartilhar.

    • Bom saber disso, Paulo. Espero que já esteja sentindo-se melhor e torço para que esteja verdadeiramente disposto a combater os pensamentos negativos e entregar-se de todo coração ao trabalho diligente em seus projetos de vida.

      Um grande abraço e sucesso. Torço por você!

  • Rodrigo

    Ola André tudo bem? em procura de centenas de artigos no google sobre desanimo, vontade de ir embora, eu encontrei o seu, estou no expediente de trabalho desanimado com tantas coisas… e parei para ler o seu artigo, parabéns!! gostei da dica da lista de atividades, vou fazer… algumas coisas fazem sentido pra mim… vou procurar uma ajuda média sobre o que sinto, esse desanimo, tristesa e outras coisas.. mais gostei muito do seu artigo…

    abraços!

    • Olá, Rodrigo. Obrigado pela participação!

      Sugiro que você faça uso de todos os meios que puder para vencer esse estado de desânimo: procure ajuda médica se achar que deve, crie a sua lista de atividades, inicie uma prática esportiva, repense certas áreas da sua vida e faça, pouco a pouco, as mudanças necessárias.

      Acredite em mim: modificando alguns procedimentos e alguns hábitos simples, a sua vida já irá melhorar muito. Se eu puder recomendar algo para você iniciar essas modificações, eu recomendaria o guia que publiquei sobre como criar uma nova rotina matinal: http://www.valongueiro.com/rotina-matinal/

      Esse é um excelente ponto de partida para você!

      Mãos à obra. Não pense demais nessas coisas, ocupe-se em iniciar o trabalho nas modificações que você sabe que precisa. Essa é a chave!

      Um abraço. Estou na torcida por você!

  • Jonas mota

    Oi. Bah gostei muito do artigo espero q ele me ajude muito , a minha situaçao e bem o q descreve so q acho q grave por ser altos e baixos fre

    • Jonas, o cenário que você descreve é mais comum do que você imagina. Eu recomendo não apenas que você leia este artigo novamente, como também que leia o artigo no qual ensino um método simples de trabalho que pode ajudar você a combater a ansiedade causada pelo imenso número de coisa que você tem para fazer. É um método de trabalho quase “zen” e acho que você irá gostar dele.

      Eis o link para você: http://www.valongueiro.com/como-trabalhar/

      Um abraço e boa sorte. Aos estudos! 🙂

  • Doce timidez

    Gostei bastante do artigo. Eu bi desanimada, pelo menos uma semana no vez eu fico desanimada er depois passa. Meu desânimo sempre é em relação ao trabalho. Todo trabalho que arrumo, enjoo em alguns meses, e com isso vou ficando desanimada, chatiada, mal e isso começa a afetar outras partes da minha vida. Meu último desânimo durou dois meses e só está um pouco melhor porque consegui desabafar com o meu namorado, mas mesmo assim não estou 100%. Mesmo que eu faça outras atividades, me divirta e faça coisas que amo. Quando chegou no trabalho o desânimo bate, trabalho pensando em ir embora. E realmente não sei se o problema sou eu ou os empregos que arrumei. Pois sempre acabo ficando desanimada. Enfim, não sei muito bem o que fazer e nem agir, meu namorado me disse que nenhum trabalho é divertido 100% e que eu crio muitas expectativas, me disse também para ir a um psicólogo, algo que estou realmente cogitando.

  • gleison lima

    O artigo é um dos melhores que li.me ajudou bastante estou com um desamino horrível. estou me sentido muita pra baixo.

    • Bom saber que o artigo o ajudou, Gleison. Desânimo é coisa que dá e passa. Ânimo!

      Comece realizando tarefas bem pequenas e simples e logo você estará trabalhando em atividades mais complexas e importantes. Procure entrar em ação pouco a pouco, de maneira sutil. O desânimo tende a crescer quando não entramos em ação, então esforce-se para começar a agir.

      Um grande abraço e boa sorte!

  • suellen

    Olá André! Gostei muito do artigo, o melhor que já li até agora, na maioria dos artigos com esses temas encontramos sempre os mesmos conselhos, porém, o seu de fato é diferenciado. Sabe, meu desânimo esta relacionado ao meu trabalho, preciso dele mas não sou feliz com ele. Já busquei várias formas de driblar essa situação, no entanto não encontro nenhuma solução. Sou uma pessoa extrovertida, sempre contente, mas quando chego ao trabalho parece que adoeço. Enfim, já me aconselharam mudar de profissão, emprego…Mas não me parece uma solução muito rentável…Queria mesmo fazer algo que amo e ganhar dinheiro com isso, se é possível para tantas pessoas, porque não para mim? Desculpe o português…rsrsrsr

    • Suellen, é perfeitamente possível trabalhar com algo que se ama e ganhar dinheiro com isso. Eu mesmo sou um exemplo disso. Se você está certa de que precisa mudar de profissão ou emprego para sentir-se mais realizada, eu acho que você deveria investir tempo, energia e recursos em descobrir um meio de fazer isso. A própria internet está repleta de possibilidades.

      Fico feliz que tenha gostado do artigo e torço para que ele o tenha ajudado de alguma forma. É sempre motivo de felicidade receber comentários como o seu. Obrigado!

      Um abraço e permaneça por perto!

  • Leandro Augusto

    Adorei o artigo André, me identifiquei em todos os passos.
    Realmente vamos com muita sede ao pote, querendo que as coisas aconteçam rápido criamos em nossa mente uma fantasia que sem o nosso esforço e dedicação não conseguimos alcança-los.
    Eu fico desanimado quando eu não consigo administrar minha vida, coloca-la em prática, em um caminho sem desvios, onde voltamos para a estaca zero novamente.
    Um exemplo voltei para casa de minha mãe novamente e me sinto péssimo.Tento identificar o erro, então tento retomar minha vida para que eu não fique parado e pensando muito.Preciso confiar mais em mim, ter maturidade, determinação e lógico enfrentar meu medo.

    Parabéns e que continue ajudando com as suas palavras.

    Abraços.

    • Fico feliz que tenha rolado essa identificação total com o artigo, Leandro. Muito bom!

      Te desejo sorte na retomada do seu caminho de crescimento. Não dá moleza para o denânimo, vai à luta! Nada resiste ao trabalho duro, disciplinado e feito com amor. Vai fundo!

      Um grande abraço e obrigado pela participação. É sempre um prazer trocar idéias com os meus leitores!

  • Socrates Brito

    Olá André
    Acabo de concluir este post.Muito bom por sinal.Adorei a lista de tarefas e confesso que já tinha um rascunho mas não faço essa consulta a muito tempo.O mais engraçado é que esse desânimo é muito comum na minha vida e ocorre principalmente nos finais de semana depois de algum momento de lazer ou até mesmo naqueles dias em que não me planejei adequadamente.Não consigo ficar sem fazer nada, largado em frente a uma TV.Pode ser até que isso seja bom pra algumas pessoas mas pra mim definitivamente é um problema.A maior dificuldade porém é alinhar todas as listas pois minha esposa deve ter a dela e meu filho a dele e nós ficamos desanimados em momentos diferentes.Não sei se tem alguma sugestão sobre esse alinhamento de listas contra desânimo.
    Um abraço e muito obrigado por dicas tão valiosas!

  • Ricardo Faria Ferreira

    Muito agradável! Verdadeiro e possível de ser posto em prática! Este mal afeta milhares e milhões de pessoas em todo mundo e as vezes devido a um desequilíbrio qualquer a fraqueza de um indivíduo pode faze-lo cometer muitos erros!!!muito grato!!! agradável este seu artigo!!!Que Deus continue te iluminano sempre!
    Grato!

    • Obrigado, Ricardo! Fico feliz que o artigo o tenha despertado para importância de combater os estados mentais negativos. Esse é realmente um grande problema e eu tenho muito interesse nele. Aos poucos estou descobrindo caminhos e estratégias para vencer esse combater.

      Um grande abraço e obrigado por sua participação. Torço por você!

  • Shirlei Martins

    Boa tarde, André.
    Suas dicas são de grande valor para mim.
    No momento tenho passado por uns problemas nos quais as soluções são a longo prazo. E isso me deixa com uma aflição terrível. Quando estou em casa não sinto vontade de fazer nada, totalmente cabisbaixa e no trabalho faço o que tenho de fazer, mas não consigo mais me relacionar como antes. Sei que suas orientações são para desanimo do nada… mas vou me esforçar para segui-las e ver se me animo um pouco e crio forças para mudar este quadro.
    Obrigada.

    • Bom dia, Shirlei. Fico feliz que as dicas tenham sido de grande valor para você. Talvez seja a hora de uma grande mudança na sua vida, de rever suas crenças, conhecer com clareza – e sem ilusões! – suas inclinações e desejos e traçar uma estratégia para começar a correr atrás de tudo isso. Isso lhe faria muito bem.

      Torço por você! 🙂

  • Luciano

    Bom dia André,

    Gostaria de parabenizá-lo pelo seu artigo, sem dúvidas o mais completo que já li sobre o tema. Eu sempre tive um desânimo em minha vida e pude constatar isso no final da minha adolescência. Parece que aumentou há alguns anos (hoje estou com 29 anos). Trabalho numa empresa familiar, onde tenho diversos conflitos com meu pai, alguns familiares dependem de mim financeiramente e estou num relacionamento no qual amo minha namorada, mas ela tenta controlar e moldar a minha vida de uma forma que me deixa mais desanimado (quer me ensinar até na forma com que dobro os panos da cozinha). Eu não sou feliz por completo no meu trabalho mas também não sei o que gosto de fazer. Alguns familiares dependem de mim financeiramente como havia dito, fazendo com que eu não consiga largar a minha vida profissional por medo. Já procurei ajuda médica e espiritual mas não me ajudou em nada até o momento. Por conta disso tudo, a preguiça toma conta de mim e faz com que eu deseje voltar pra casa todos os dias (o foda é que minha namorada é hiperativa e não me deixa quieto em casa, não sossega, quer me dar tarefas o tempo todo, falar de 500 assuntos, é grossa quando eu não faço as coisas do jeito que ela quer, até a forma de dobrar o pano da cozinha). A solução dos meus problemas, se fossem fáceis de resolver, seria: largar o emprego, viajar por um ano e depois começar algo novo. Queria fazer isso com minha namorada mas não temos dinheiro pra isso.

    • Obrigado, Luciano. Fico feliz que tenha gostado do artigo! 🙂

      Bem, você parece sequestrado emocionalmente por dois relacionamentos: o amoroso e o familiar. As duas coisas parecem oprimir você e você tem plena consciência disso. Mas há algo que o impede de livrar-se do cativeiro: o medo. Você está andando em círculos. Está lhe faltando coragem e se você não estiver disposto a agir com coragem e subjugar o medo nenhuma ajuda médica ou espiritual vai funcionar.

      E mais: para evitar pensar na solução do problema com clareza e colocar essa solução em prática com coragem, você sonha com uma viagem fantástica de um ano que supostamente iria solucionar o seu problema. Você está vivendo uma fantasia. Viagem nenhuma iria solucionar esse problema. O problema é a sua atitude e o seu caráter medroso diante da situação.

      Espero ter ajudado com esse breve “diagnóstico” da situação e torço pelo seu sucesso. Se estiver disposto a receber a minha ajuda como o seu mentor e coach para começar a resolver essa situação é só me escrever e conversaremos sobre o assunto, OK?

      Um grande abraço!

  • Paulo

    Realmente muito bom esse artigo!

  • Allysson Lira de Paula

    Gostei muito da maneira que vc escreve , me identifico com o tema , no momento estou entediado esse mes por um motivo ridiculo estou de ferias do trabalho acostumado aquela correria de sempre agora nao tem.nada pra fazer como ganho pouco nem viajar da . mas enfim bacana suas dicas , apreciei a leitura as 02:30 da madrugada no silencio da noite tomando um bom vinho , uma outra sugestao para seu arsenal , jogue video game principalmente RPG que sao cativantes na historia e tomam um bom tempo um abraco .

    • Obrigado, Allysson. Fico feliz que tenha gostado do artigo!

      O tédio é realmente um problema, ele parece estar sempre escondido atrás da porta esperando uma oportunidade para nos pegar. Sei bem como é isso.

      Se você não pode viajar e gosta de RPG, talvez possa encarar a leitura de um bom romance histórico, de fantasia ou de ficção científica. Se me permite uma sugestão eu te indico a leitura da trilogia “As Crônicas de Artur”, do Bernard Cornwell. O primeiro livro chama-se “O Rei do Inverno” e tenho certeza que você vai enlouquecer com o livro. É uma obra-prima!

      Um grande abraço e sucesso!

  • Raphael Assis

    Muito obrigado André! Só isso, MUITO OBRIGADO! Me ajudou MUITO! 🙂

    • Sou eu quem agradeço a atenção e a confiança que você me deu, Raphael. Fico muito feliz que o artigo o tenha ajudado! 🙂

      Torço para que você permaneça prestigiando os artigos deste blog. Tenho muitas novidades adiante!

      Um abraço!

  • Gilberto Oliveira

    Olá André, adorei o artigo, vou preencher essa lista e começar a agir mais pra tentar espantar aos poucos esse desânimo e preguiça, quem sabe assim, até no meu trampo eu melhore meu humor e me anime mais pra trabalhar, rsrsrs. PS: brincar com minha cachorra, curtir muito som (principalmente metal), e caminhar bastante, ja os faço há anos, mas ainda assim me sinto muito desanimado as vezes por causa do sol na cabeça e do calor infernal, odeio verão!!!!!! E o horário do meu trampo é justo nestes momentos de sol quente e muito calor (apesar de ser um local na sombra – uma sala de escritório muito abafada), só posso ir trabalhar apé, pois não me sobra dinheiro nem pra condução de ônibus, ganho muito pouco lá, além disso lá nem ventilador tem pra dar uma refrescada na mente, muito menos ar condicionado, pois meu trabalho de ficar sentado ligando a tarde inteira pras empresas é muito estressante, enfim, abração!!!

    • Fala, Gilberto!

      Cara, se o trabalho é tão ruim por que não começar a planejar as coisas para conseguir um trabalho melhor? Se a coisa não é boa, então mude. Eu publiquei ontem um artigo que ensina, passo a passo, como criar um plano para realizar uma transição de carreira. Vá lá, leia tudo com atenção e comece a se movimentar para alcançar uma condição de trabalho melhor. Você merece isso e só depende de você! 🙂

      Tá aqui o link: http://www.valongueiro.com/mudar-de-profissao/

      Um grande abraço e boa sorte. Se tiver dúvidas e precisar de ajuda é só deixar um comentário lá no artigo e vamos conversando. Se cuide!

  • Denise Cristina de Almeida

    Oi André! Me senti interessada pelo assunto pela forma positiva com que você escreveu e porque os pontos que você colocou são os que estou com dificuldade….
    Confesso que preciso corrigir todos os passos que você indicou.Gostei bastante da frase ” Você é o que acredita ser, o contrário do que acredita ser e muitas outras coisas.” Acho que essa frase me fez acordar um pouco porque como você mesmo disse, nós temos uma auto-avaliação formada de nós e saber que mesmo eu achando que sou tal coisa, eu sou isso, um pouco mais, um pouco menos,nada disso,tudo isso para outra pessoa e saber lidar com isso não é fácil para mim justamente pela fantasia que ponho na minha cabeça. Enfim,obrigada pelo artigo. Esse é o primeiro que li e já me fez abrir um pouco mais minha mente! Espero poder receber mais mensagens pelo email. Parabéns pelo grande profissional que você passa ser!!! Abraço!

    • Bom dia, Denise! Fico muito feliz que o artigo tenha aberto um pouco a sua mente, esse é exatamente o meu objetivo. Eu realmente acredito que esse pensar demais sobre nós mesmos nos atrapalha mais do que nos ajuda. A verdade sobre nós mesmos nos aparece por lampejos, não por reflexão forçada.

      É muito bom tê-la por aqui, se você cadastrou o seu e-mail então logo receberá novidades! 😉

      Um abraço e vamos conversando!

  • Denise Cristina de Almeida

    André,li para meu marido esse artigo e ele pediu para te perguntar de onde você me conhece! kkkkk

    • HahA! Conheço muitas “Denises”. Algumas fazem coaching comigo, outras são minhas alunas e outras minhas amigas. Algumas delas não são elas, mas eles. Enfim, o mundo está cheio de “Denises”, não se preocupe achando que suas dificuldades são apenas suas, há muitas pessoas vivendo as mesmas coisas. Por isso esse artigo faz tanto sucesso. 🙂

  • Carlos Meirelles

    Bom gostei muito desse artigo foi como se um grande amigo estivesse me dando todos esses concelhos!!! Parabéns

    • Obrigado, Carlos. Considere que um grande amigo lhe deu esses conselhos, pois foi exatamente com o espírito de um bom amigo que escrevi cada linha deste artigo.

      Um forte abraço!

  • Thaís Brandão Barros

    Oi André. Me sinto desanimada e sem vontade de fazer nada! Também me sinto perdida diante da situacao em que me encontro! Sinto um Nó na garganta. Medos. Não sei exatamente por onde começar. Quero dar a volta por cima e voltar a sorrir com naturalidade. Tenho medo de ñ sair desse sentimento ruim. Obrigada pelas dicas!

    • Ânimo, Thaís. Já experimentou fazer uso da estratégia da “Lista de Atividades”? Eu recomendo. O desânimo perde muito da sua força quando nos envolvemos com atividades prazerosas. Vai lá, experimenta! 😉

  • Aurora Coleridge

    Excelente texto! Tudo que eu precisava ouvir. Precisava, e não “queria”!

    • Que coisa boa, Aurora. Espero que as idéias tenham feito alguma diferença para você. Ouvir o que não queremos em muitos casos é tudo o que nos faltava para fazer progresso.

      Um abraço e obrigado pela participação.

  • Jäger

    Muito bom a forma com que você organizou essa linha de raciocínio. Acredito ser esse um dos principais pontos para se ter uma saúde mental de qualidade: A organização dos pensamentos. Havendo a possibilidade de “sistematizar e mensurar”, a coisa fica bem mais prática e menos teórica. No momento, estou totalmente perdido, sem saber o que fazer e para onde ir. Devido à alguns (vários) acontecimentos recentes, acabei ficando naquele estado “dormente” de ânimo e consciência, aquele momento após um “estampido de tiro”. Mas concordo contigo ao dizer que (em outras palavras), na maiorias das vezes, são apenas monstros que alimentamos e o agigantamos dentro de nós mesmos. Acredito que este foi um dos melhores – se não o melhor – artigo sobre o assunto que tenho lido ultimamente, muito bem estruturado e lúcido. Realmente nos oferece uma perspectiva bem diferente e que depende do empenho de cada um para melhorar. Um abrç. Sucesso pra ti

    • Jäger, eu não tenho dúvida de que a capacidade de cuidar dos nossos pensamentos é o princípio de toda saúde mental. É preciso aprender a viver em nosso próprio ambiente psicológico e essa é uma tarefa difícil e que exige muita atenção. Um grande número de pessoas, infelizmente, ainda não aprendeu a fazer isso.

      Se você sente-se “perdido” atualmente, eu recomendo que você dê olhada na página “Coaching” aqui no blog, pois possuo um programa especialmente preparado para ajudar os “perdidos”. Talvez lhe seja útil. Todas as informações estão lá.

      Muito obrigado pelo comentário, fico feliz em saber que o artigo ajudou você. É exatamente para isso que os escrevo com tanto cuidado e dedicação.

      Um abraço e fique por perto!

  • Diogo Lemos

    Muito obrigado pelo artigo André. Parece que o desânimo e a frustração bateram a minha porta com tudo. Mas eu não me entrego. Comecei a procurar estratégias de combate pela internet e achei seu site e esse post fantástico. Muito obrigado por compartilha conosco suas experiencias. Fiz anotações sobre o que li e a partir de AGORA tentarei colocar em prática. Grande abraço.

    • Obrigado, Diogo. E como estão as coisas agora? Espero que estejam melhores. Penso que o grande segredo é entrar em movimento e calar um pouco os pensamentos, é não pular no trio elétrico do carnaval das próprias emoções. Te desejo todo ânimo e felicidade!

      Um forte abraço!

  • Leonardo Bueno

    André, parabéns pelo artigo!
    Da mesma forma que me ajudou, acredito que irá ajudar outras pessoas.
    Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.
    Lindo trabalho que você faz ajudando o próximo .. Continue assim!
    Forte abraço!

    • Obrigado, Leonardo. Que comentário maravilho. Eu assino embaixo, apenas transmitir informação não é suficiente. É necessário entregar informações articuladas entre si, capazes de resolver problemas reais. É isso o que tento fazer por aqui. Fico feliz que tenha percebido isso! 🙂

      Um grande abraço e fique sempre por perto. Sua presença aqui é muito importante!

  • Luana Soares

    Muito bom, estava precisando ler isso! Obrigada pelas dicas ☺️????????

    • Sou eu quem agradeço a sua participação, Luana. Espero que o artigo tenha ajudado você a sentir-se melhor e a entender que grande parte do desânimo que experimentamos é ilusório, é uma criação psicológica que pode ser desfeita através do aprimoramento da nossa consciência.

      Um abraço e sucesso! 😉

  • Waltair Rufino da Silva

    Excelente, simplesmente ao ler o artigo a mente já começa a trabalhar, parece estar te tirando de um abismo profundo e te colocando para fora te mostrando que existe um mundo fora do que esta insistindo em viver e imediatamente o ânimo começa ser renovado, parabéns e muito obrigado……

    • Fico feliz que minhas palavras tenham causado essa reação positiva em você, Waltair! Saia e casa, vá para fora, veja pessoas, paisagens, carros, o movimento da vida na cidade, na praia ou no campo, o sol, a lua e as estrelas. Contemple a criação e perceba que as angústias da vida são absolutamente insignificantes perto da grandeza e beleza de todas as coisas.

      O desânimo nos pede saída, troca de idéias, movimento e ação. Entre em movimento, esqueça um pouco de si mesmo e veja todas as coisas mudarem de figura. Torço por você!

      • Waltair Rufino da Silva

        Posso dizer que hoje estou me sentindo outra pessoa, muito obrigado. As vezes ficamos fechados em um mundo e nada do que façamos é capaz de nos tirar de lá, e graças a seu artigo e suas palavras, de um dia para o outro parece que estou vivendo em outro mundo, mais uma vez muitíssimo obrigado…..

        • Feliz por você, Waltair. Parece que agora você descobriu um dos “segredos” para viver bem: sair para o mundo, olhar para fora e esquecer um pouco de si mesmo. Olhar para dentro é importante? Sem dúvida. Mas isso precisa ser feito com seriedade, em um momento apropriado. Te desejo uma vida feliz!

  • jefferson

    sem palavras para descreve a gradiozidade de tanto conheciento. parabens sem duvida de longe é o melhor que ja li……

    • Obrigado pelas palavras, Jefferson. Espero que continue acompanhando os novos artigos. Um abraço!

  • Fala André! Gostei muito do teu artigo, é um problema que estou lidando ultimamente: a preguiça e o desanimo! Um amigo meu costuma dizer que eu sou um sonhador e não um visionário, porque, segundo ele, um visionário mantém os pés no chão e luta por aquilo que deseja, enquanto um sonhador, bem, apenas sonha… Eu preciso vencer a preguiça e começar a estudar porem eu simplesmente não consigo. Eu preciso de disciplina e agora depois de ler esse seu artigo eu vou tentar me focar mais no que é realmente importante. Abraço cara!

    • Pedro, levanta-te e anda, meu velho! Há muitas coisas maravilhosas esperando você por aí, você só precisa levantar e ir pegá-las. Mãos à obra!

      Um grande abraço!

      • Gabriel Rodrigues

        Boa tarde , li o texto do motoboy que perdeu a irmã e me impressionei . Acordei desanimado , com preguiça e sem vontade de fazer nada , querendo ficar sozinho no canto calado , nem vontade de falar eu tenho … O pior de tudo é que eu não sei por qual motivo estou assim . Preciso de ajuda pelo amor de Deus !

  • Júlio Henrique

    Gostei muito do seu artigo. Eu ando muito desanimado ultimamente e tem horas que eu acho que eu vou cair em uma depressao profunda, mas eu vou tentar seguir a lista e me divertir mais, sair por ai sem rumo e várias outras coisas.

  • Fabio Barcelos

    Gostei bastante do artigo André! Tenho estado desanimado e sem animo para fazer nada. Simplesmente não sei oq fazer. Acabei de sair de uma empresa onde pensei que a minha carreira profissional descolaria, mas no fim me vi fazendo algo que não gostava tanto. Agora, não sei se continuo insistindo na mesma carreira, ou se procuro algo novo? Mas oq seria esse algo novo? Esta dúvida me paralisou.

    • Bom dia, Fabio! Fico feliz que tenha gostado do artigo, meu velho. Obrigado! 🙂

      Olha só, eu realizo um trabalho de “auto-descoberta” com muitas pessoas através de um programa de orientação pessoal. Costumo dizer que esse é um programa para os “perdidos”, para aqueles que estão sem rumo nem norte na vida. Talvez esse seja um bom programa para você. Dê um pulo na página “Coaching” aqui no blog – http://www.valongueiro.com/coaching – e lá você terá todas as informações, inclusive verá como agendar uma primeira sessão gratuita comigo.

      Um forte abraço e obrigado pela presença! Se cuida!

  • Pergunte ao Motoboy

    Olá, desculpa ulpe o meu desabafo mais perdi minha irmã faz 8 dias, éramos filhos únicos e dês de então eu me sinto muito mal, desanimado preguiçoso e sem motivação alguma, ainda moro com meus pais e meu sobrinho filho da minha falecida irmã, ele tem apenas 4 anos e meus pais já são de idade ambos tomam dezenas de remédios por dia, eu sou motoboy entrego hambúrguer na região do Itaim bibi da meio dia às onze da noite, estou em uma fase que meio de uma corda bamba parece que estou no mundo mais ao mesmo tempo minha mente está completamente em outro lugar, não tenho mais animo para arrumar minha cama, para ver minha namorada ou até mesmo tomar banho quando chego em casa, procurei em diversos livros como mudar essa minha acomodação mental, pensei que até problemas espirituais eu tinha, até o dia de hoje 2:44 da manhã do dia 22/07/2016 quando li esse artigo, cara eu achei a solução de “todos” os meus problemas, hoje vou acordar cedo e começar a praticar tudo que eu li, e queria agradecer a quem escreveu Deus te abençoe sempre e que você sempre consiga tocar no coração das pessoas com esse dom da escrita cara, me sinto melhor só de ter lido imagine como vou estar praticando tudo isso, passei meses querendo mudar de vida e cada dia piorava mais de oito dias para cá pensei que meu mundo ia acabar que eu seria um inútil para toda minha vida, mais a partir de agora vou ser uma pessoa melhor com a mente aberta e mais maduro para encarar o dia de hoje sem fantasiar muito. Mais uma vez obrigado de coração.. Vou deixar meu e-mail para que possa algum dia alguém querer saber se funcionou mesmo, se essa leitura tocou realmente meu coração terei o maior prazer em responder. Se teve erros ortográficos ou pontuação mal colocada me desculpem trabalhei o dia inteiro estou um pouco sonolento. O meu e-mail é : paulinho1833@icloud.com
    Mais uma vez agradeço a quem escreveu esse artigo ????????.. Que Deus te abençoe sempre .

    • Sem palavras. Esse é o provavelmente o mais emocionante comentário que esse blog já recebeu e certamente um dos melhores comentários que já recebi em qualquer um dos meus artigos em 10 anos com blogueiro. Estou muito feliz e torço para que tudo esteja melhor para você agora.

      Que Deus receba sua irmã de braços abertos e conforte você e sua família. Se possível, responda esse comentário e me envie novidades. Como você está agora?

      Um grande abraço!

  • Eugenia

    Tem gente que tem o dom de escrever perfeitamente tudo que está se passando, de forma bagunçada, dentro da gente. Parabéns, dei “um google” e encontrei seu artigo em meio a um turbilhão de desânimo e reclamações de um período de recem formada. Obrigada!

    • Obrigado, Eugenia. Esse é o ofício do escritor: colocar em palavras, numa ordem adequada, a confusão natural dos sentimentos e emoções. Recém-formada? Anime-se, há um belo caminho para você adiante. Arregace as mangas e substitua o desânimo pelo aprendizado. Torço por você! 😉

      Um abraço!

  • hudson

    OI, como pediu que expressássemos aqui estou ei 🙂

    A Leitura deste artigo é bem atraente, as palavras vão escorrendo suavemente com ótimos conselhos e uma leveza estimável.

    Ótimo texto, tenho certeza que muitas pessoas serão beneficiadas com esta simples leitura. O interessante é saber que várias pessoas podem se acrescentar desta leitura, porém sinto um certo bloqueio em compartilhar, pois qualquer tipo de auto ajuda pode nos passar uma imagem de fraqueza e não costumamos nos sentir a vontade mostrando nossas fraquezas, porém se me deparar com um amigo que esteja precisando de uma força indicarei seu texto o qual veio a me somar bastante!

    Fazer esse Comentário me fez sair de uma certa zona de conforto, fuga esta já impulsionado pelo teu Artigo!

    Grato!

    Abraço!

    • Boa tarde, Hudson!

      Muito obrigado pelos elogios, meu velho. Fico feliz que tenha apreciado minha escrita e ainda mais feliz em saber o que artigo o fez sair de uma certa zona de conforto com tanta rapidez.

      Um grande abraço!

  • celso

    ola andré cara estava muito preocupado comigo mesmo tenho uma firma de bordado e tudo é alugado estou devendo até o fundo das cuecas sempre que parece que as coisas vão andar acontece algo que atrapalha
    cara eu não consigo ficar no meu trabalho sempre que tento trabalhar encontro algo para não ficar
    bastante desanimado mesmo sabendo que tenho dois filhos pra criar ainda estou travado estou me vendo no fundo do poço e não estou conseguindo fazer nada para sair mais vou reler o seu artigo quantas vezes for preciso e aplicar ele na minha vida

    • Celso, apenas reler e reler o meu artigo não irá funcionar. Acalme-se, coloque em um papel o que precisa ser feito para vencer a dificuldade e comece a fazer o que precisa ser feito. Deixe as preocupações e angústias de lado e trabalhe. E não esqueça de pedir a Deus por ajuda. Se fizer isso, logo estará em uma situação melhor. Deus não deixará você na mão. Torço por você!

      Um grande abraço!

  • João Vitor

    Muito bom seu artigo afinal to muito desanimado e isto me ajudou muito mudei de país e na minha mente parece nada dar certo ‘ porem quando mudo meus pensamentos e apoio aos dos outros vejo que só em eu estar longe de tudo que passei isto já é uma mudança evolucao agradeco

    • Bom saber disso, João. Tá morando onde agora? Te desejo sorte, meu velho! Fica bem!

      Um abraço!

  • João Vitor

    Muito bom tudo que estava precisando espero ansiosamente artigos no meu email vlw cara

  • Maria Arlene Zalotine

    Pode acreditar! O desânimo é tanto que foi complicado ler até o final.Bom: gostaria de comunicar que este desânimo já me acompanha a mais de um ano, minha vontade só de ficar na cama me trato com psiquiatra , não posso com antidepressivos Eu fico pior. Me cobro o tempo todo porque gostaria de fazer uma caminhada não tenho ânimo não tenho vergonha de dizer tenho preguiça até de mim alimentar-se me culpo muito porque quero fazer uma caminhada quero fazer algo mas o meu corpo só pede cama eu só me sinto bem deitada isso é horrível porque o tempo tá passando e não faço nada por favor se puder me ajudar eu ficarei muito grato tenha pedido a Deus todos os dias da minha vida para que ele fortaleça para que ele me ajude para que lhe pedir força já levanto de manhã sentindo mal e só para cama tô café com preguiça e deito e durmo acordo fico acordada na cama desculpe pelo texto grande é a vontade de desabafo o meu muito obrigada

    • Maria, na Bílbia há uma passagem em que um paralítico pede a Jesus que o cure e as palavras de Jesus para ele são as seguintes: “Levanta-te e anda”. Jesus não pega o sujeito no braço e o levanta, mas ordena que ele mesmo se levante. Pedir a Deus é importante, mas você precisa fazer a sua parte. Comece com uma caminhada de 5 minutos ao redor do quarteirão onde você mora. Esse será um excelente início e já começará a resolver o problema. Ânimo, querida, você precisa fazer algo por você mesma. Deus vai te ajudar, mas você precisa se ajudar também.

      Um forte abraço!

  • Leonardo Daudt Vieira

    Olá André, tudo bem? O artigo é muito bom e me ajudou bastante, obrigado! Mas eu tenho outra dúvida, será que você poderia me ajudar? Eu tenho outras duas grandes dificuldades, que são a preguiça e a falta de concentração. Muitas das vezes por ter preguiça de fazer as tarefas do dia a dia (estudar por exemplo, mesmo que seja uma coisa do meu interesse), eu acabo não conseguindo me concentrar para fazê-las, isso faz com eu perca a maior parte do meu tempo disponível e produza duas, três (ou até mais vezes) menos do que eu poderia ou deveria produzir. Isso me atrapalha muito, faz com que eu não consiga cumprir grande parte das minhas tarefas planejadas para serem feitas no dia e tenho que estar sempre reorganizando tudo, terminando tudo em cima da hora ou até mesmo nem terminando algumas coisas. Você poderia me dar alguns conselhos para me ajudar a melhorar estes problemas? Obrigado!!

    • Leonardo, o melhor conselho que posso te dar é o seguinte: venha passar por um processo de coaching comigo. Se ficarmos frente a frente poderei te mostrar como superar essas dificuldades pouco a pouco, já que ela exige o aprendizado e a conquista de certos conhecimentos e técnicas que não consigo te passar por aqui. Costumo dizer que os problemas da preguiça e da falta de concentração são dois problemas superados na minha vida. Levei anos para vencer essas dificuldades, mas me parece que consegui vencê-los em caráter definitivo. Visite a página Coaching (http://www.valongueiro.com/coaching/) aqui no blog e entre em contato comigo, eu posso te ajudar!

      Um abraço e desculpe a demora para responder, não recebi o e-mail de notificação sobre o seu comentário. Se cuida!

  • Eduardo Macedo Sobrinho

    Show gostei muito, atletas tem muita dificuldade de manter o foco
    para os trabalhos diários e as dicas são bem interessantes, gostei muito
    virei leitor fiel, tenho um blog de “Como conseguir Patrocínio para Atletas”
    e vou direcionar para seu site também, grande abraço!

    patrocicioparaatletas.com

  • Cesar Santana

    Foi ótimo mesmo tudo que li nesse artigo! era o mesmo que eu estivesse falando comigo mesmo.Como pode ser tão verdadeiras as perguntas e respostas nesse artigo. Parece que é comum e que todos vivem o mesmo conflito que eu. Adorei e vou ficar antenado em todos os comentários daqui pra frente.

    • Fala, Cesar! Te peço desculpas pela demora em responder, mas eu simplesmente não recebi a notificação do seu comentário por e-mail. É uma pena, mas antes tarde do que nunca, não é mesmo? 😉

      A verdade é que o problema do desânimo é sim comum à toda humanidade. Tenho viajado muito pelo mundo e visto essa realidade com os meus próprios olhos. O desânimo é parte da condição humana e por isso tenho dedicado muito do meu tempo para entender melhor tudo isso e ajudar na medida das minhas forças e capacidades.

      Um forte abraço e sucesso!

  • Iara

    Muito obrigada por nos presentear com este maravilhoso artigo. Se eu conseguir usar a metade do que eu li aqui minha vida vai ser renovada. Espero receber varios outros. Que deus te abençoe.

    • Obrigado, Iara! Espero que já esteja colocando em prática pelo menos uma parte do que aprendeu. Torço por você!

      Um abraço!

  • Pamela

    André, adorei o seu artigo e realmente as dicas dadas foram muito úteis, era o que eu estava buscando. Obrigada por dividir a sua experiência e conselho. Faz uns dias ou meses que estou um pouco desanimada devido um sonho que não saiu como o planejado, mas o solucionei e irei praticar os seus conselhos para me sentir melhor. Obrigada!!

    • Torço por você, Pamela. Nem sempre as coisas saem como planejado, mas isso é parte do jogo. Eu sei bem como é isso. Te desejo muito sorte. Ânimo! 😉

  • Hiago Lagos Winchester

    Que dom sensacional esse que você tem para a escrita, estou impressionado e muito feliz em ter lido seu artigo. Tenho 21 anos e sou de Parauapebas no Pará, sou uma pessoa que reclama muito dos infortúnios e da falta de oportunidades, mas esse seu artigo me fez perceber que tudo isso por ser mudado se eu realmente me esforçar para que aconteça. Meus parabéns por ser esse ser humano tão especial a ponto de conseguir tocar tantas pessoas com sua escrita. E muito obrigado viu!

    • Fala, Hiago! Te agradeço muito as palavras gentis, é sempre bom saber que o que escrevo ilumina, ainda que apenas um pouco, a mente e o espírito das pessoas.

      Te parabenizo pelas descobertas que fez e torço para que já esteja fazendo os devidos ajustes. Você é um sujeito muito novo, há um longo caminho adiante e tenho certeza que essas descobertas que você fez durante a leitura vão gerar muitos frutos.

      Um grande abraço e volte sempre!

  • Diego André

    muito bom artigo, as vezes realmente bate aquele desanimo e precisamos mesmo de alguma ajuda para nos reencontrarmos novamente.

    • Bom dia, Diego! Espero que o artigo tenha sido essa ajuda que ajudou você a se reencontrar. Um abraço!

  • Oi , eu tenho dificuldades para dormir e acordar, parei de estudar no 3 ano do ensino médio, queria muito voltar. Mais não consigo, queria conseguir estudar e fazer alguma faculdade mais não sei o que está acontecendo comigo eu fico pensando em tudo que poderia está fazendo e não estou fazendo nada para meu futuro, choro muitas vezes, mim sinto sozinha mesmo não estando ,

  • Alissom

    Cara adorei levantou minha auto estima so de ler vou praticar e vou ler novame te varias vezes OBG

  • Aryanne

    ANDRE, MUITÍSSIMO OBRIGADA, PELA PRIMEIRA VEZ QUE PESQUISEI COMO VENDE O DESANIMO EU LI MUITAS PORCARIAS CTRL V .CTRL CTRL C POR AI E ESTAVA FICANDO AINDA MAIS TRISTE. E QUANDO VI SEU POST, LI CADA PALAVRA COM O CORAÇÃO ABERTA E FINALMENTE INTENDI O QUE SE PASSA COMIGO. Eu não tenho como agradecer serio, entendi quais erros eu cometia e o que devo fazer de agora em diante. em breve vou ser aquela menina que ainda tinha sonhos e esperanças e vontade de bater as metas. Deus te abençoe. 🙂

    • Uau! Fantástico, Aryanne. Isso é tudo o que um escritor gostaria de ouvir. Obrigado pelo comentário, torço para que as coisas mudem daqui para frente. Sucesso e volte sempre!

  • Denise Pizzo

    Amei o artigo. Na metade da matéria já tinha descoberto o que me causava o desânimo. Compartilhei com três amigos. Fui resolver o que precisava e voltei pra terminar a.leitura da matéria. Obrigada!

    • Obrigado, Denise. Fico feliz que o artigo tenha ajudado você a entender suas dificuldades. Volte sempre e não deixe de ler os outros artigos, há bastante coisa interessante por aqui.

      Um abraço!

  • Karla Medeiros

    Olá, dando uma “passeada” pelo blog. Estava (ou) com um desânimo terrível, um pouco debilitada de saúde, sem forças para seguir mas os planos estão na pauta da vida! Vou prestar o concurso para o TRF1 e as pausas por vezes tiram-me dos trilhos. Gostei muito das suas sugestões, sobretudo da lista de atividades! Vou executar algumas para ver se a coragem retorna. Obrigada!

    • Bom dia, Karla. Torço para que essas dicas melhorem seu desempenho nos estudos e te desejo sorte e sucesso na sua prova. Se possível, volte aqui para contar as novidades. Sucesso!

  • Vanessa Santos

    Parabéns! Este artigo é realmente muito bom, amei dedicar o meu tempo lendo-o. Palavras e ideias inspiradoras que nos ajudam a vencer no dia a dia.

    • Obrigado, Vanessa. Bom saber que o artigo a inspirou e que você teve um bom momento lendo-o. Te desejo toda paz, ânimo e sucesso!