24 atitudes que fazem sua vida terrível e infeliz

Somos os maiores responsáveis por nossa insatisfação e infelicidade. Podemos até dizer que viver uma vida infeliz é questão de escolha.

Temos um grande arsenal de atitudes e comportamentos que fazem com maestria o trabalho de tornar nossa vida complicada e terrível.

E o mais trágico é que poucos de nós são capazes de reconhecer essas atitudes quando as estão praticando.

Hoje vou apresentar para você 24 atitudes que fazem sua vida terrível e infeliz.

Essa coleção de atitudes negativas é muito valiosa e pode ser para você uma excelente oportunidade de examinar-se e aprender mais sobre você mesmo.

Se você tomar consciência dos erros que repetidamente comete sem perceber, sua vida pode ser radicalmente transformada para melhor.

Esse é o meu desejo com esse artigo: que você, a partir do reconhecimento das suas falhas, torne-se mais lúcido, simples e feliz. Só depende de você.

Gostou do que vem por aí? Então use os links abaixo e compartilhe esse conhecimento valioso nas redes sociais:

Vejamos as 24 atitudes a serem evitadas para que você possa viver em paz e feliz. Aproveite a leitura!

1. Desperdiçar tempo com quem não valoriza sua presença

Não se trata de achar-se superior. A verdade, no entanto, é que a vida é curta demais para ser desperdiçada com pessoas que não apreciam nossa presença ou companhia.

Quando uma pessoa quer outra na sua vida, ela abre espaço para o outro entrar sem que ele precise disputar esse espaço.

Nunca, jamais insista em manter vínculos com alguém que não valoriza sua presença. Retirar-se, sutilmente e sem barulho, é o melhor para você e para ela.

Siga seu caminho em paz.

2. Fugir dos problemas reais e criar problemas falsos

Enfrente os seus problemas com coragem e serenidade. E, principalmente, faça isso com inteligência.

Nem sempre solucionar problemas é uma tarefa fácil, mas nem sempre – muita atenção aqui! – um problema é realmente um problema.

Exercite a qualidade básica da sua inteligência:

A vida é repleta de problemas e dificuldades, mas muitos deles são falsos ou foram artificialmente criados por uma mente inquieta e sedenta por preocupações.

Muitos de nós são verdadeiras usinas produtoras de problemas!

Antes de começar a se preocupar com um problema, descubra se ele é verdadeiro ou apenas uma ilusão. Você não é obrigado a resolver um problema no mesmo instante em que ele aparece.

Não se agite em vão. Medite serenamente sobre o problema que tem nas mãos – e se então você descobrir que ele é verdadeiro, comece a trabalhar para resolvê-lo.

3. Mentir para si mesmo

Ninguém pode viver bem se vive na mentira.

Desde os sábios da Antiguidade, passando pelos brilhantes filósofos escolásticos da Idade Média e chegando até as grandes inteligências da Idade Moderna, todos sabiam que só uma coisa era importante: a Verdade.

E o início do conhecimento da verdade é, obviamente, o conhecimento da verdade sobre nós mesmos – sobre quem somos e por que fazemos o que fazemos.

Ser brutalmente sincero com você mesmo é a única maneira de levar uma vida digna, satisfatória e feliz.

Não abra mão da verdade. Enganar-se por acidente ou falta de conhecimento é aceitável, mentir para si mesmo deliberadamente é tolice.

4. Tentar ser quem você não é

Um dos maiores desafios da vida é ser você mesmo num mundo que te estimula a ser só mais uma cópia de um dos modelos fornecidos pela propaganda e pelo show business.

A maior parte das pessoas não é capaz de compreender que a imitação é uma armadilha, um atalho para a insatisfação e para uma vida infeliz.

Elas negam sua forma pessoal única e tentam colocar no lugar dela uma personalidade de empréstimo que lhes parece mais bonita e amável.

Não sabem que o segredo da alegria é descobrir-se e ser fiel a si mesmo em todas as coisas, tanto as pequenas como as grandes.

5. Se prender ao passado

Não dá pra começar o próximo capítulo de um livro se você não para de reler o anterior, certo? O mesmo acontece com a nossa vida.

Como falei em meu artigo sobre a prática da Atenção, o pensamento do passado só coloca diante de nós o que é irreparável.

Não se prenda a nenhum passado, tenha sido ele sofrido ou glorioso. Há muita vida adiante e todos os dias a própria vida nos oferece ocasiões e oportunidades que podem nos conduzir em direção ao bem.

Não negue as propostas que a vida amorosamente lhe faz. Esteja atento, desperto, presente.

"Estar atento é manter em si uma abertura que nos permita perceber, acolher e responder adequadamente aos chamados que as coisas – as pessoas, os objetos, a natureza – nos fazem." – André Valongueiro

6. Ter medo de errar

Fazer algo e errar é infinitamente mais produtivo do que não fazer nada.

Você não precisa chegar aos 70, 80 ou 90 anos para descobrir que geralmente as pessoas se arrependem mais daquilo que não fizeram do que daquilo que fizeram.

Bronnie Ware, uma enfermeira australiana que trabalhou durante muitos anos com pacientes terminais, escreveu um livro chamado Antes de Partir – Uma Vida Transformada Pelo Convívio Com Pessoas Diante da Morte, no qual relatou os arrependimentos mais comuns dos seus pacientes em seus últimos dias de vida.

Eis o arrependimento número um:

Eu queria ter tido a coragem de viver uma vida fiel a mim mesmo, não a vida que os outros esperavam de mim.

Será que eu e você somos capazes de imaginar a profunda dor causada pela constatação, já em nosso leito de morte, de que não realizamos coisas que queríamos realizar por medo ou acomodação?

Não deve ser uma dor fácil de suportar, não é mesmo? Então vamos arregaçar as mangas e acabar hoje mesmo com o medo de errar.

Eu não quero sofrer essa dor, você quer?

7. Tentar comprar a felicidade

Todos nós temos desejos de coisas materiais. Até aí nenhum problema.

No entanto, é importante entender que nenhum bem material tem valor em si mesmo. Desejamos bens materiais unicamente por causa das sensações e experiências que teremos com eles.

Ninguém deseja ter muito dinheiro apenas para ver sua carteira cheia de cédulas ou cartões: queremos as experiências e momentos que o dinheiro pode comprar, ou a segurança psicológica que ele pode oferecer.

Tenha em mente que uma boa vida depende muito mais da qualidade da sua consciência do que dos recursos materiais disponíveis para você agora ou em qualquer outro momento.

A própria capacidade de usufruir dos bens desejados depende em alto grau da qualidade da sua mente.

Sem uma mente psicologicamente saudável é impossível usufruir bem de qualquer coisa: tudo sempre parecerá insuficiente e insatisfatório.

A bem da verdade, o que verdadeiramente nos satisfaz é de graça: amar, sorrir e trabalhar com paixão.

Tenho para você uma sugestão sincera, um conselho de amigo que lhe quer bem: invista a maior parte dos seus recursos – especialmente o seu tempo – no aprimoramento da sua consciência e esqueça um pouco seus anseios materiais.

E tenho outra sugestão: se você está gostando do artigo e ainda não é assinante do blog, cadastre seu e-mail abaixo para receber todas as novidades em primeira mão:

Receba as atualizações do blog!

Eu respeito sua privacidade e NUNCA envio spam!

8. Buscar a felicidade no outro

Se você não está feliz consigo mesmo, o que te faz pensar que estará feliz ao lado de outra pessoa?

É preciso criar estabilidade na sua própria vida antes de poder compartilhá-la com outra pessoa e obter desse relacionamento algum retorno positivo para ambos.

Ninguém pode nos dar a satisfação duradoura que desejamos. É tolice e ilusão achar que isso é possível.

A amizade é uma predisposição recíproca, disse Platão (Atenas, 428 a.C. — Atenas, 348 a.C.):

"A amizade é uma predisposição recíproca que torna dois seres igualmente ciosos da felicidade um do outro." – Platão

9. Ser (ou estar) preguiçoso

A preguiça é feia. Na verdade, ela é horrível.

Estar apático e indiferente à vida é uma atitude de grande ingratidão. Não sei como você se sente, mas eu me sinto péssimo quando me percebo preguiçoso.

Por outro lado, o vigor e a energia de uma pessoa que age de forma livre e desimpedida é algo belíssimo. Essa é a essência da grandeza dos melhores homens e mulheres.

Todos somos, de alguma maneira, capazes de coisas grandes, exceto aqueles que cruzam os braços e tornam-se preguiçosos, covardes ou medrosos. Que todos os leitores deste blog estejam livres disso.

10. Esperar sempre o momento certo

São muitas as pessoas que não empreendem seus projetos de vida porque esperam o momento certo.

Em alguns casos, eu concordo, há um momento certo para agir. Em outros, no entanto, a espera por esse momento é apenas uma desculpa para não correr riscos ou para continuar no conforto da inércia.

Ninguém se sente totalmente pronto diante de algo novo.

Quer uma prova disso? Vá até uma livraria, compre a biografia de qualquer pessoa que você admire e leia.

Não importa se essa pessoa é um empreendedor, político, artista ou qualquer outra coisa: o elemento de insegurança diante do novo e do incerto estará lá.

Ouça as palavras do tenista norte-americano Arthur Arshe (Richmond, 1943 — Nova York, 1993):

"Comece onde você está, use o que você tem e faça o que você pode." – Arthur Robert Ashe Jr.

11. Tentar competir com todo mundo

A competitividade é um grande elemento complicador da vida, pois nos faz viver num eterno estado de tensão e alerta que nos deixa ansiosos e preocupados.

O competidor está sempre fazendo conjecturas sobre aqueles que considera seus adversários. Está sempre tentando imaginar o que fazem, pensam, dizem ou tramam em cada momento – e isso o faz afastar-se de si mesmo.

Por meio destas conjecturas, o competidor atiça em si mesmo a cobiça, a inveja, o medo e tantos outros sentimentos negativos.

Alguns dizem que é preciso competir consigo mesmo, superar-se a cada dia. Besteira.

É preciso evitar totalmente a atitude insuportável de estar sempre em disputa consigo mesmo e com outros. Tudo isso é muito cansativo.

Qual a razão para que todas as nossas relações sejam pautadas no ganhar ou perder?

É claro que todos nós desejamos melhorar, mas o progresso só pode existir por meio da disputa e da competição?

12. Ter inveja dos outros

A inveja é um dos chamados pecados capitais. É conhecida como “o pecado envergonhado”, visto que procuramos escondê-lo ao máximo.

Alguns de nós são capazes de falar “eu sou preguiçoso” sem grandes problemas – a preguiça também é um pecado capital –, mas ninguém dirá “eu sou invejoso”.

Já ouvi a expressão “inveja branca”, como se a inveja pudesse ser boa de alguma forma. Não pode.

A inveja é um pecado capital por trazer consigo vários outros pecados: a murmuração, a maledicência, o ódio, a alegria pelo fracasso do outro e a tristeza pelo seu sucesso. Essas “filhas” da inveja foram identificadas por Santo Tomás de Aquino.

O invejoso frequentemente faz fofocas, fala mal, odeia, se alegra com a queda e se entristece com o sucesso de quem ele inveja.

Você vê o quanto isso é feio e perverso? Perceba com toda clareza o quanto sua inveja é horrível e decida afastar-se dela agora mesmo. Isso vai melhorar muita a sua vida.

13. Reclamar e ter pena de você mesmo

Gosto muito destas palavras de São Josemaria Escrivá (Barbastro, 1902 — Roma, 1975), elas mudaram minha vida anos atrás:

"Não sejas frouxo, mole. - Já é tempo de repelires essa estranha compaixão que sentes por ti mesmo." – São Josemaria Escrivá

A vida tem suas surpresas, todos sabemos. E somos como um barco navegando nesse oceano de circunstâncias e eventos, fazendo a travessia da vida.

Tudo o que devemos fazer é manejar essas circunstâncias e eventos de maneira que, por mais negativas que sejam, elas possam contribuir para a realização do nosso projeto de vida.

Esse é o “jogo” que todos estamos jogando e reclamar não o torna mais fácil.

14. Guardar mágoa e rancor

Se estamos fazendo uma longa viagem, uma travessia, é importante carregar pouco peso. E o que pode ser mais pesado do que o rancor e a mágoa?

Esqueça tudo isso. Há vida adiante, concentre-se em fazer dela a melhor vida possível. O perdão é a resposta. Perdoe, liberte-se, encontre a paz e vá em frente.

E lembre-se que o perdão não é só para os outros, mas para você também. Se você cometeu um erro ou uma injustiça da qual se arrepende, realize um ato sincero de contrição, aprenda rapidamente a lição que o erro está ensinando e siga adiante.

O filósofo brasileiro Mário Ferreira dos Santos (Tietê, 1907 — São Paulo, 1968) faz uma recomendação interessante em seu livro Curso de Integração Pessoal:

Quando fizermos alguma coisa errada, quando um mau pensamento nos assaltar, quando um desejo indevido nos impulsionar, quando praticarmos um ato que foi injusto ou mal feito, não nos enchamos de aborrecimento. Levemos a mão ao peito, sintamos sinceramente o erro, e digamos a nós mesmo: ‘Evitarei que se repita. Não faz mal. Evitarei que se repita’.

15. Não possuir um projeto de vida

Todos temos dúvidas sobre o significado da vida. Trata-se realmente de um grande mistério.

Mas essa dúvida não nos impede de definir uma direção para ela, de termos um projeto de vida para orientar nossas ações e escolhas.

Um projeto de vida é necessário. Se não possuo uma definição da direção na qual desejo caminhar, minha vida parecerá perdida e sem rumo. E sofrerei com a dúvida, a angústia e a tristeza.

Há milhões de pessoas sofrendo mundo afora por falta de um projeto de vida que as oriente e as faça perceber que a vida pode ser boa.

Se você é uma dessas pessoas que se sente perdida e sem rumo, conheça o meu programa de coaching Vida: Propósito, Sentido e Direção. Posso ajudar você a descobrir seu caminho de vida único e especial.

16. Gastar tempo se explicando para todos

Se você ponderou com cuidado uma decisão ou escolha, não há razão para explicações. As explicações foram dadas no seu íntimo, no próprio ato de tomar a decisão.

É claro que algumas pessoas merecem explicações – e para essas nos explicaremos –, mas explicar-se para todos é perda de tempo.

Não adianta querer que as pessoas aprovem ou fiquem entusiasmadas com nossas idéias e projetos. O valor das nossas idéias só pode ser percebido por aqueles que, de alguma forma, se parecem conosco.

Todos os outros as verão como devaneios, quimeras ou bobagens.

O ponto é acreditar e saber que, para além do círculo das nossas relações imediatas, existe um grande número de pessoas que verá como importante aquilo que pensamos e fazemos.

17. Agir sem parar para refletir

De tempos em tempos é preciso parar toda atividade, dar um passo atrás e enxergar a posição e o encaixe de todos os nossos interesses e projetos particulares em relação ao quadro maior da vida pessoal e da existência humana.

Não se trata apenas de descansar ociosamente, mas de investigar se o que estamos fazendo nos levará onde desejamos chegar.

E a hora de parar é exatamente quando não temos tempo para isso. É exatamente quando estamos afogados num mar de atividades que devemos parar e nos certificar de que todo esse esforço não está sendo em vão.

18. Desprezar a beleza dos pequenos momentos

Desfrute as pequenas coisas. Um dia você irá se lembrar delas e perceber que elas foram grandes.

Há um imenso número de momentos belos que passam despercebidos e são desaproveitados por nós. E o que nos torna insensíveis e indiferentes a esses momentos é o nosso constante desejo de viver “experiências extraordinárias”.

Mas a única coisa realmente extraordinária é o mistério da vida, o mistério da existência que nos foi dada sem que a tenhamos pedido e sem que fizéssemos nada para merecê-la.

Todo o resto decorre desta experiência fundamental, que é a experiência do ser e do viver. Só ela é extraordinária, todas as outras experiências são ordinárias – e o ordinário pode ser belo.

19. Querer deixar tudo perfeito

Um trabalho feito com zelo e excelência é sempre fonte de grande prazer e satisfação, mas a ânsia de querer ser perfeito nos mínimos detalhes frequentemente é fonte de sofrimento e frustração.

É que o desejo de fazer tudo com perfeição muitas vezes é fruto da nossa vaidade: queremos parecer perfeitos por meio da perfeição do nosso trabalho.

Será que essa vaidade não está roubando o seu tempo?

Além do mais, não esqueça que a perfeição humana é sempre relativa. Sempre teremos imperfeições e pontos de melhoria em uma tarefa ou projeto.

Se você deseja vencer o perfeccionismo e aumentar sua produtividade não deixe de estudar o meu guia com 5 passos para trabalhar com máximo foco e eficiência.

20. Querer seguir sempre o caminho mais fácil

Se há um caminho mais fácil para atingir um objetivo, ótimo – vá por esse caminho!

Mas certifique-se de que esse caminho mais fácil não foi criado por sua preguiça e comodismo; que ele não é, na verdade, a simples fuga do caminho mais trabalhoso que seria necessário trilhar.

Se você enganar a si mesmo, no final desse caminho mais fácil você perceberá que não chegou onde desejava chegar – e tudo terá sido em vão.

21. Culpar os outros pelos seus problemas

Sua capacidade de realizar sonhos é diretamente proporcional à sua capacidade de assumir responsabilidades.

Culpar os outros pelos seus problemas é negar essa mesma capacidade e, portanto, negar a si mesmo a possibilidade de realizar sonhos.

auto-responsabilidade é um dos pilares do meu trabalho de coaching. Posso apontar caminhos, mostrar possíveis soluções e iluminar a inteligência e percepção dos meus clientes, mas não posso me responsabilizar pelo uso que farão das coisas que estou ensinando e mostrando.

22. Se preocupar demais

A boa saúde – do corpo e da mente – depende diretamente da nossa capacidade de banir toda preocupação e ter o espírito vazio e não cheio de pensamentos.

As preocupações e a multidão de pensamentos são a principal causa de todas as ansiedades e angústias e de muitas doenças do corpo e da mente.

Você se preocupa com o seu futuro? A melhor maneira de se preparar para ele é trabalhar com empenho, diligência e desejo de fazer com excelência aquilo que está ao seu alcance hoje.

Esse é o único meio realmente efetivo de você se preparar para o amanhã. Estar ansioso e preocupado é como andar em círculos.

O fardo do futuro, acrescentado ao fardo do passado e carregado no presente pode ser a desgraça de um homem. Não se sobrecarregue com preocupações.

23. Dar atenção demais àquilo que você não quer que aconteça

Concentre-se naquilo que você quer que aconteça. O pensamento positivo antecede toda e qualquer história de sucesso.

Acho o problema da preocupação, do medo e da atenção obsessiva àquilo que não queremos que aconteça tão importante que dediquei a primeira meditação do meu livro 55 Meditações e Broncas a esse assunto:

Não achas que te preocupas demais e perdes o sono muito facilmente? Quantas vezes, afinal, esse temor de que coisas horríveis pudessem te acontecer tornou-se real? Não percebesse ainda que essas “fantasias de desgraça” que tens são apenas – como qualquer fantasia – uma ilusão; e que os problemas que elas usam para te plantar preocupações nunca são tão monstruosos quanto imaginas? Descansa em paz e retoma o teu trabalho quando tiver recarregado as forças: nenhum desses problemas resistirá ao poder do teu empenho. Ânimo!

24. Ser ingrato

Não importa se as coisas vão bem ou mal, agradeça por sua vida todos os dias. Lembre-se que, em algum lugar, existe alguém lutando muito não para realizar grandes sonhos e projetos, mas apenas para sobreviver.

No mundo há fome, doença, opressão e miséria. E é fácil esquecer disso se você não está sendo esmagado por nenhuma desgraça.

A ingratidão é feia. É vergonhosa também. Ter e viver como se lhe faltasse; possuir e se entristecer por não possuir mais. Tudo isso é horrível. Elimine definitivamente a ingratidão.

Esteja consciente daquilo que traz infelicidade para sua vida

Tão importante quanto saber o que fazer é saber o que não fazer.

Eu espero que essa coleção de 24 atitudes a serem evitadas tenha feito você refletir seriamente. Espero que você esteja agora mais consciente do que estava antes de iniciar a leitura.

Eu gostaria muito de ouvir você nos comentários abaixo. Se você tiver dúvidas, elogios ou críticas, deixe um comentário. Eu respondo 100% deles e estou sempre disposto a ajudar.

E se algumas dessas 24 atitudes estão dificultando o seu sucesso e a realização dos seus projetos e sonhos, eu posso ajudar você a superar esses obstáculos e começar a viver uma vida épica. Conheça o meu trabalho de coaching. Clique na imagem abaixo e saiba mais!

Coaching com André Valongueiro

  • E aí, gostou do artigo? Quero muito ouvir sua opinião. Deixe seu comentário e vamos conversar! 🙂

    • Eloisa Feliz

      Se eu gostei? Eu amei. É tudo tão real, André. Tudo tão objetivo e claro, você realmente tem o dom da escrita. Cheguei aqui agora, mas já me cadastrei para receber todas as novidades. Obrigada e parabéns pelo trabalho, André. É lindo!!!

      • Obrigado, Eloisa!

        Seja muito bem-vinda e aproveite todos os conteúdo do blog. E agora que você está cadastrada vou poder te enviar novidades sempre que elas saírem.

        Um abraço e tudo de bom!

    • Rita Barreto

      Amei André. Vc não imagina o quanto me ajudou ler esse artigo. Tudo de importante dito de forma bem clara e fácil de absorver. Muito obrigada por essa ajuda. Parabéns pelo lindo trabalho. Sucesso! Abraço

      • Obrigado, Rita! 🙂

        Fico feliz que o artigo tenha ajudado você. Não deixe de olhar os outros conteúdos do blog, certamente existem outros artigos que também podem te ajudar. Um ótimo dia pra você!

        Se cuida!

  • Jober keitel

    Caramba, cara! Meus parabéns, tu és um mestre da síntese, consegue encontrar elementos em diferentes textos que em suma se corroboram, bem como unir prática e teoria. Fantástico! És um desvelador de verdades encontradas em diferentes homens, suas histórias e textos. Eu o acompanho há anos, vejo crescimento ínterno, profissional… Obrigado por nos brindar com tais sínteses, que sempre me elevam, um grande abraço de um admirador que tem uma vida épica, devido ao seu trabalho e do Walmar Andrade! Abraços

    • Fala, Jober! Que comentário maravilhoso, fiquei bem feliz por aqui. Obrigado!

      É bom ver que as referências que procuro trazer para o blog ajudam a transmitir a mensagem que desejo. E melhor ainda é saber que tudo isso está servindo para o seu crescimento interno e profissional e contribuindo para ajudar você a continuar vivendo uma vida épica. Isso é tudo o que um escritor e um coach deseja.

      Um grande abraço e até o próximo conteúdo. Se cuida!

  • Celso Fonseca

    Mais uma obra-prima do Valongueiro, um artigo imperdível. Um dia vou poder contratar você como meu coach e poderei conversar sobre todos esses assuntos com você pessoalmente. Se você é capaz de escrever dessa maneira sobre esses assuntos tão complexos eu fico imaginando o quanto mais não poderei falar numa conversa. Sou seu fã, parabéns mais uma vez!

    • Bom dia, Celso. Obrigado mais uma vez pelas palavras, confesso que sempre que publico um artigo já fico esperando o seu comentário! 🙂

      E venha simbora passar por um processo de coaching comigo, tenho certeza que aprenderíamos muito juntos.

      Um abração!

  • André Macedo

    Porra Valongueiro, tu é o cara, tu é foda….os teus textos, conteúdos, artigos são muito fodas.
    Parabéns e muito obrigado.

    A cada nova linha, uma reflexão, uma pausa, uma respiração e seguimos em frente, nos surpreendendo e nos abastecendo com essa enorme quantidade de informações que você compartilha conosco.

    Muito, muito obrigado!

    • Fala, @andremacedo1:disqus! 🙂

      Você não imagina o quanto um comentário como o seu me faz feliz. Abro um sorriso de satisfação aqui na frente do computador. Obrigado!

      Fico feliz que tenha aproveitado o artigo para refletir, respirar, parar um pouco e se abastecer com as informações que estão no artigo.

      Um abraço e um ótimo dia!

  • Maya Borges

    Todo mundo tinha que ler essas dicas, excelente! Valongueiro sempre impecável. Acho muito importante sempre dar uma lidas em seus conselhos, para sempre andar nos trilhos. Seus conselhos são humanos e humildes, podendo tornas as pessoas mais sinceras com elas mesmas e com as outras ao seu redor. Sucesso!

  • Fernanda Marques Lisboa

    Excelente súmula, André Valongueiro! Parabéns! Conselhos sábios e úteis a todos.

    • Fernanda! Tudo bem por aí? Tinha que ser você, aluna do Olavo, para chamar esse pequeno artigo em um blog de “súmula”. Muito bom ter você por aqui e receber seu reconhecimento! 🙂

  • Maria Helena Dias Pereira Mota

    Oi André. Como vai?
    Depois do seu artigo genuíno e de todos os comentários, cada um mais interessante e verdadeiro que o outro, que posso eu acrescentar? Que, pura e simplesmente, adorei! Não sei como consegue escrever aquilo que nós pensamos – no meu caso – mas que não conseguimos escrever. Está tudo ali! Simples, assim! Mas na verdade, difícil de escrever, para quem não tem esse dom.
    Tudo certo o que escreve. Mas, como fazer, quando temos ao nosso lado uma pessoa que se “alimenta e nos alimenta” de mentiras, jurando e negando que o que diz é verdade? E quando chegamos a uma idade avançada – como no meu caso – e não vemos saída? Eu sei a resposta “só tu podes mudar a tua vida. Não esperes que os outros mudem”. É isso aí.
    Obrigada pelos seus excelentes artigos. Tiro sempre apontamentos – os melhores – para ir lendo quando tenho um tempinho.
    Desejo-lhe uma boa semana.
    Abraço.

    • Olá, Maria! Obrigado pelas palavras, fico feliz que tenha gostado e que esteja sempre aqui me acompanhando. É uma honra! 🙂

      Uma ótima semana para você!

  • Marcos Mota

    Nossa!! Muito obrigado!!
    Esse artigo me fez acordar pra vida!!!

    • Bom saber disso, Marcos. Fico feliz por você! 🙂

      Um grande abraço e sucesso!