Como vencer o sedentarismo sem gastar 1 centavo (e divertindo-se como uma criança) – O Guia Completo

Abandonar o sedentarismo sem precisar gastar 1 centavo com academia, personal trainer, suplementos alimentares ou qualquer outra coisa…

E mais: divertindo-se como uma criança! 😀

Parece bom?

Pois é exatamente isso que desejo ensinar para você neste artigo.

Quero oferecer para você uma estratégia descomplicada para vencer o sedentarismo.

Eu posso até dizer que o processo é 100% garantido!

Tudo o que você precisa fazer é continuar lendo com a mente aberta e mergulhar de cabeça na mensagem que estou prestes a transmitir.

Vou propor algo que pode revolucionar não apenas a sua relação com o seu corpo, mas todo o seu estilo de vida.

Espero que esteja curioso quanto ao que veremos nas próximas linhas deste artigo.

Preparado? Então vamos em frente!

Bem-vindo ao “Zoológico Século XXI”

Leão dormindo em um zoológico.

A vida de um ser humano “normal” no século XXI não é muito diferente da vida de um animal selvagem que vive em um zoológico, como o belíssimo leão acima.

Calma. Não estou sugerindo que você, caro leitor, seja um animal selvagem.

Deixe-me explicar…

Comparar nossa vida atual com a vida que um animal selvagem leva vivendo em um cativeiro pode parecer, inicialmente, um exagero.

No entanto, ao percebermos que um pessoa “normal” se mantém sedentária (ou quase sedentária) por, em média, 18 horas por dia, podemos ver que o “exagero” não é tão exagero assim.

Nos tempos atuais, muitas pessoas trabalham sentadas por 8, 10, 12 horas por dia

Não sei o que você pensa sobre o assunto, mas eu não acredito que seja natural permanecer sentado em um cubículo do nascer ao pôr do sol.

Fiz isso durante muitos anos da minha vida e hoje percebo a loucura que era tudo aquilo.

Claro que podem existir períodos de trabalho tão intenso que exijam de nós esse sacrifício, mas não acho que essa deva ser a regra geral para as nossas vidas.

O fato de um grande número de pessoas agir de certo modo não significa que esse modo seja “natural”.

Mas ainda há mais…

Além das horas sedentárias no trabalho, ainda temos:

  • Aproximadamente 8 horas diárias de sono
  • Entre 2 e 4 horas diárias de deslocamentos sentados em nossos carros ou em transportes públicos
  • 2 ou 3 horas sentados durante as refeições

Faça as suas contas e surpreenda-se ao descobrir o grande número de horas por dia que você permanece em um estado de sedentarismo.

Se décadas atrás o tabagismo era o grande “vilão” da saúde, hoje o permanecer sentado ou realizando apenas movimentos mínimos juntou-se ao time.

O ponto é: a “domesticação” e o “enjaulamento” atuais estão nos transformando em pessoas fisicamente cada vez mais fracas.

E, para complicar ainda mais o cenário, as soluções que estamos buscando para esse problema não são tão eficazes quanto podem parecer…

Os seus treinos diários não são suficientes

Personagens do filme Guerra nas Estrelas em um academia de musculação.

Estatisticamente falando, frequentar a academia ou o parque diariamente não são suficientes.

Entrar em movimento por 1 hora significa estar ativo durante apenas 4% do seu dia.

Já pensou nisso?

É como esperar que a salada que você comeu no almoço de hoje possa compensar as extravagâncias gastronômicas das últimas 2 semanas.

Aliás, deixe-me perguntar para você algo importante: você sabe por que novas dietas aparecem o tempo inteiro e fazem tanto sucesso?

É simples: as pessoas estão procurando uma maneira de permanecerem sedentárias por 18 ou 20 horas dos seus dias e, ainda assim, manterem a boa forma.

As “dietas da moda”, sob um certo ponto de vista, são meros instrumentos para que possamos lidar com o sedentarismo característico do século XXI.

O mesmo se aplica aos suplementos alimentares.

Algumas pessoas vão “estranhar” afirmações como essas, mas estou convencido de que há muita verdade nelas. Vejo isso com os meus próprios olhos o tempo todo.

O fenômeno chamado “alimentação saudável” e o tremendo crescimento da indústria de suplementos alimentares devem o seu sucesso, em grande parte, ao desejo de compensar com métodos e produtos o estilo de vida sedentário do século XXI.

Se você deseja escapar do sedentarismo e mudar gradualmente o seu corpo sem tornar a sua relação com os alimentos uma relação “neurótica”, eu quero te mostrar uma alternativa…

Quero oferecer para você um paradigma radicalmente diferente do último super treino, dieta ou suplemento…

É algo muito simples: tudo o que você precisa fazer é voltar a fazer o que o seu corpo foi construído para fazer.

Essa parece uma afirmação curiosa?

Vejamos como e por que deixamos de fazer o que os nossos corpos foram construídos para fazer e como podemos recuperar as nossas habilidades motoras originais.

Para isso, é válido obtermos uma rápida visão histórica das coisas para que possamos entender como chegamos onde estamos agora.

Um breve resumo da História do Sedentarismo

Letreiro luminoso com os dizeres Evolução

Houve um tempo em que era necessário nos movermos para viver.

Acredite, houve um tempo assim!

Caçar e coletar eram o nosso principal trabalho, e isso exigia de nós a realização de um grande número de movimentos.

Tínhamos que realizar muitos movimentos só para conseguir a próxima refeição:

  • Caminhar
  • Correr
  • Agachar
  • Rastejar
  • Escalar
  • Empurrar
  • Puxar
  • Pular
  • Pendurar
  • Equilibrar

E fazíamos isso todos os dias, pois não tínhamos geladeiras, freezers ou conservantes artificiais para preservar os alimentos por muito tempo.

A vida era bastante cansativa, como você deve estar imaginando…

Mas naquele tempo éramos também mais fortes e menos doentes, além de, talvez, menos estressados também. Talvez…

Era assim há bastante tempo, há mais de 12 mil anos.

Até que “descobrimos” a agricultura…

A agricultura

Uma plantação de trigo.

Com o advento da agricultura, que aconteceu entre 10 e 12 mil anos atrás, os movimentos necessários para colocar a próxima refeição na mesa foram diminuindo pouco a pouco.

Já não era mais necessário caminhar ou correr tanto para obter certos alimentos, pois alguns deles já estavam disponíveis ali perto.

Muitos movimentos, no entanto, ainda precisavam ser feitos: era necessário preparar a terra, plantar e colher.

A nossa quantidade de movimentos diários já não era mais a mesma, mas ainda não passávamos o dia inteiro sentados.

Até que veio a Revolução Industrial…

A Revolução Industrial

Um velho trem.

A coisa piorou muito com a chegada da Revolução Industrial, que aconteceu nos séculos XVIII e XIX e teve seu início na Europa.

O nosso repertório de movimentos tornou-se gradualmente menor e menor e, pela primeira vez na história, algumas pessoas começaram a trabalhar sentadas durante boa parte do dia.

Creio que, naquele tempo, passar o dia trabalhando sentado devia ser uma espécie de “emprego dos sonhos”, algo desejado por grande parte dos trabalhadores da indústria.

No entanto, os séculos seguintes mostrariam que trabalhar sem realizar muitos movimentos não era, afinal, tão excelente assim…

A Era da Informação

Notebooks, Tablets e Celulares.

Essa é a era na qual vivemos atualmente.

É realmente um período maravilhoso e de muitas possibilidades, mas é também o pior de todos os períodos quando colocamos a nossa atenção sobre a nossa “dieta de movimentos”.

Na Era Digital nós podemos ter praticamente qualquer coisa com movimentos extremamente pequenos.

Muitas das nossas tarefas se resumem a fazer alguma busca no Google, dar alguns clicks e esperar um pouco…

Pronto, o jantar está na mesa!

O nosso repertório de movimentos foi reduzido a quase zero.

O que muitos de nós basicamente fazem, em termos de movimentos, ao longo do dia, é caminhar um pouco e sentar.

Para termos uma pequena idéia de quanto dos nossos movimentos mais básicos nós perdemos a capacidade de executar, nós podemos realizar um teste simples.

Um pequeno desafio

Vamos ao nosso pequeno teste. Espero que você esteja em um local onde possa fazê-lo.

Se não estiver, faça assim mesmo… 🙂

São apenas 3 passos simples e não levará nem 10 segundos:

  1. Fique de pé
  2. Abra as pernas na largura dos seus ombros
  3. Abaixe-se e tente tocar os dedos dos pés com as mãos

Conseguiu?

Não? Então saiba que você perdeu a capacidade de realizar um dos movimentos mais básicos do ser humano.

Mas não se preocupe, continue lendo e juntos começaremos a dar um jeito nisso!

Mas antes eu peço que você cadastre o seu e-mail no campo abaixo, assim você receberá todos os novos artigos para reinventar a sua vida em primeira mão! 🙂

Está gostando do artigo?

Insira o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

O preço que estamos pagando

Nossos corpos não evoluíram para a imobilidade e o sedentarismo.

Eis alguns dos resultados da diminuição radical dos nossos movimentos nas últimas décadas:

  • Músculos enfraquecidos
  • Articulações enrijecidas
  • Metabolismo desacelerado

Temos ainda as dores nas costas e no pescoço, a péssima postura, as articulações inflexíveis e os joelhos frágeis…

Essa parece ser a situação de um número imenso de pessoas que vivem na Era da Informação.

E, como eu falei antes, ir até a academia ou até o parque não irá resolver todos esses problemas.

Precisamos de uma nova estratégia, de um novo estilo de vida!

Nós precisamos de uma dieta nutritiva de movimentos.

Em vez de uma sessão de 60 minutos de movimentos por dia, podemos realizar inúmeras micro-sessões de movimentos ao longo de todo o nosso dia.

Podemos diversificar continuamente nossos movimentos e voltarmos a fazer o que os nossos corpos foram construídos para fazer…

E só aí começaremos a pagar as nossas dívidas de movimentos com eles.

Pagando a sua dívida de movimentos

Homens em uma competição de queda de braço

Quando estamos em débito com o sono, logo nos organizamos para pagar a dívida.

O sono logo cobra o seu preço quando estamos em débito com ele. Durma mal ou pouco por 2 noites consecutivas e ele já lhe envia a “carta de cobrança”.

O nosso corpo, infelizmente, não cobra o que lhe devemos com tanta velocidade.

Em grande parte dos casos, alguns meses ou anos terão se passado até que você realmente perceba os males que lhe foram causados pela falta de movimentos e pelo sedentarismo.

Seu corpo torna-se rígido, fraco e propenso a lesões.

Você se torna preguiçoso até para as tarefas mais simples, como subir escadas ou abaixar-se para pegar algo.

O movimento, mais do que um “remédio” para esses problemas, é um grande semeador de vida na sua vida! 😀

Uma vida com mais movimento é uma vida com mais entusiasmo e com menos dores e preguiça.

Chegamos, finalmente, ao momento em que vamos começar a resolver esse problema!

Pronto para recuperar a força e a capacidade do seu corpo?

Aborde as instruções seguintes com leveza e de maneira divertida.

Lembre-se: não estamos tentando construir um super físico, apenas começar a recuperar o que perdemos.

Esforce-se para realizar as atividades sugeridas e procure divertir-se com tudo isso. É hora de entrar em movimento!

Passo #1: Reintegrando os movimentos mais fundamentais

Nós seres humanos não somos os melhores em nenhum tipo particular de movimento.

Praticamente qualquer animal marinho nada melhor do que nós e qualquer macaco é um escalador mais habilidoso…

No entanto, nós temos a maior diversidade de movimentos entre os animais! 😉

Embora não sejamos os melhores em nenhum tipo de movimento específico, nós podemos fazer muitas coisas com grande habilidade.

Precisamos tirar proveito disso em nossa vida cotidiana!

O nosso primeiro passo consiste em reintegrar dois movimentos fundamentais para o ser humano:

  • O agachamento. A capacidade de baixar-se, ficando de cócoras (preferencialmente sem que os seus joelhos ou quadril estalem como uma porta velha).
  • A capacidade de pendurar-se. Estamos falando da capacidade de sustentar o próprio corpo ao pendurar-se em algo (em uma barra de ferro ou galho de uma árvore, por exemplo).

Recuperar a nossa capacidade de realizar com total naturalidade esses dois movimentos é o primeiro passo para a nossa reabilitação.

O Jonathan Mead, do Move Heroically, gravou um excelente vídeo com demonstrações de execução destes dois movimentos fundamentais.

Não se preocupe se você tiver dificuldades com o inglês, o que realmente importa é que você entenda os movimentos e pratique-os.

Se o inglês for um uma dificuldade para você, pratique a aprendizagem visual, um dos melhores métodos de aprendizado existentes! 😉

Divirta-se com o vídeo, mas lembre-se de continuar a leitura do artigo até o final, pois temos outros passos muito importantes depois deste:

Divertido, não? Observe como o Jonathan realiza os movimentos com incrível naturalidade.

Que tal tentar alguns dos movimentos do vídeo agora? Encorajo você a tentar agora! 🙂

“Mas o Jonathan está praticando estes movimentos em um belo parque”, você deve estar pensando.

É verdade…

Mas não se preocupe, no próximo passo vamos criar o seu próprio “parque”. Assim você poderá se divertir em sua própria casa ou onde você desejar.

Em tempo: agradecimentos ao Jonathan, que me poupou o trabalho de produzir um vídeo para este artigo. 🙂

Passo #2: Criar um ambiente que possibilite e estimule o movimento

Sabemos que é mais fácil mudar a nossa alimentação quando mudamos aquilo que colocamos dentro das nossas despensas.

Resistir aos biscoitos é mais fácil quando eles não estão na sua casa, não é mesmo?

Podemos aplicar o mesmo princípio para nos movermos mais.

A maneira como a nossa casa e/ou o nosso ambiente de trabalho estão organizados pode favorecer ou não a nossa movimentação.

Aqui estão dois exemplos simples de coisas que você pode fazer para tornar o seu espaço mais estimulante para a sua movimentação:

  • Coloque uma barra de exercícios em sua porta. Todas as vezes que você passar em sua porta, pendure-se por 10 ou 15 segundos.
  • Posicione puffs baratos em locais estratégicos. Sempre que precisar passar por eles, não passe por eles, mas por cima deles.

Aqui em casa subo inclusive nos braços do sofá. É como ser criança novamente, pois toda criança parece alucinada por subir em sofás e cadeiras. 😀

Tenho ainda mais algumas dicas simples e bem divertidas para você:

  • Quando precisar abaixar-se para pegar algo, aproveite a oportunidade para fazer um agachamento
  • Faça agachamentos ou permaneça agachado enquanto escova os dentes ou toma banho dentro do box

Qualquer coisa que você possa fazer para tornar a sua casa ou local de trabalho um pouco mais “selvagem” é válido.

E fazendo isso você terá uma vida com mais movimento e muito mais divertida. Seja criativo! 🙂

Passo #3: Inclua movimentos em sua rotina matinal

Já publicamos aqui um artigo excelente e super completo sobre como criar uma nova rotina matinal.

Se você incluir movimentos em sua rotina matinal os seus dias começarão de maneira incrível!

Não estamos falando de nenhum “treino”, workout ou qualquer coisa do tipo.

Queremos apenas executar alguns movimentos no início dos nossos dias e nos sentirmos bem!

Imagine levantar-se da cama e logo pendurar-se com calma em sua barra, alongando os seus braços e suas costas…

Talvez você possa até mesmo se balançar um pouco! 🙂

Imagine beber o seu primeiro copo d’água agachado na cozinha ou na sala.

No meu caso, eu costumo me pendurar e me balançar em minha barra logo após a minha oração espontânea de agradecimento, assim que acordo.

Quando passo pela porta do meu quarto para ir até cozinha beber água eu me penduro gentilmente e passo alguns segundos ali…

Depois disso, entro no banho, faço alguns agachamentos e é isso: estou pronto para um dia inteiro de movimentos!

Se você já leu o artigo sobre como construir a sua rotina matinal, simplesmente inclua alguns movimentos simples na rotina já estabelecida.

Se ainda não criou a sua rotina matinal, eu recomendo vivamente que faço isso já tendo em mente a prática dos seus movimentos matinais.

Os seus dias ganharão um nova dimensão de diversão que você não imaginava que pudesse existir! 😀

Passo #4: Aumente o seu repertório de movimentos

Bancos em uma praça.

Não é possível criar um corpo forte fazendo sempre os mesmos movimentos.

Repetir sempre os mesmos padrões de movimentos fará com que o nosso corpo se adapte rapidamente a eles, tornando-os progressivamente menos efetivos com o passar do tempo.

Precisamos incorporar novos movimentos ao nosso dia a dia.

E não somente por causa deste “mecanismo de adaptação” citado acima, mas também para que tenhamos sempre novos tipos de desafios e diversão em nossos dias! 😉

Você pode:

  • Puxar ou empurrar objetos que estejam na sua frente.
  • Flexionar e estender suas articulações dos cotovelos e dos joelhos quando estiver sentado em uma cadeira.
  • Rotacionar o seu quadril para ambos os lados, tentando olhar para trás.

Quanto mais diversificação de movimentos, mais teremos um corpo apto para realizar um grande números de atividades diferentes e mais diversão teremos.

Em vez de andar apenas em calçadas lisas e planas, experimente terrenos acidentados e com desníveis.

Experimente caminhar ou correr sobre a grama ou sobre um terreno coberto por pedras.

Experimente usar as escadas para subir até o andar para onde você está indo. Se o andar for muito elevado, suba até certo ponto e então pegue o elevador até lá.

Tudo isso devolverá aos seus tornozelos e pés a flexibilidade e capacidade de adaptação que eles perderam com o tempo.

Em vez de desviar-se dos obstáculos e procurar as rotas mais fáceis, caminhe na direção deles e os ultrapasse.

Passe por cima de bancos de cimento e caminhe equilibrando-se sobre pedras. Use rotas diferentes para chegar aos mesmos lugares.

Pense e aja como um homem selvagem em vez de pensar e agir como um robô que repete sempre os mesmos caminhos e padrões de movimento.

Para um pouco de inspiração assista a esses 2 outros pequenos vídeos do Jonathan Mead com idéias bem legais para você aumentar o seu repertório de movimentos.

Aqui algumas idéias para se divertir em um parque (ou no tapete da sua casa):

E aqui algumas idéias para injetar diversão em suas tarefas domésticas:

Divertido, não? Há muitos outros vídeos interessantes no canal do Movement Lifestyle no YouTube.

Mas não tente fazer tudo isso desde o primeiro momento, OK?

Comece desenvolvendo as suas habilidades para agachar-se e pendurar-se e só depois comece a introduzir novos movimentos em seu dia a dia.

Não se preocupe, isso não irá demorar muito. O seu progresso irá acontecer muito rápido, pois esses são movimentos muito naturais para o seu corpo.

Logo você estará realizando uma grande variedade de movimentos com muita naturalidade…

Mas isso só se você realmente abraçar esse novo estilo de vida! 🙂

Passo #5: Aceite o convite e abrace um novo estilo de vida!

Este novo paradigma que estou propondo para você é como um convite ao abandono do “as mesmas coisas todos os dias”.

É um convite para que você viva um estilo de vida baseado na busca regular por novos desafios.

Em vez de fazer sempre o mesmo, olhe para todas as possibilidades existentes:

  • Há um meio-fio no qual você possa se equilibrar?
  • Há algum galho de árvore no qual você possa se pendurar e balançar-se?
  • Você pode transformar os bancos de uma praça em obstáculos a serem ultrapassados?

Todas essas coisas são um exercício de imaginação.

Comece a fazer mudanças progressivas na sua “dieta de movimentos” diária.

Faça isso pouco a pouco, passo a passo, sem pressa, sem apego a qualquer método ou desejo de resultados específicos.

Essa nova maneira de encarar as coisas pode levar você muito longe!

Talvez você não tenha agora a motivação para iniciar a prática de uma modalidade esportiva, mas entrando em movimento com essas dicas é provável que a motivação comecer a surgir aos poucos.

Tudo o que está sugerido aqui pode ser colocado em prática agora. Só depende de você! 🙂

Mas por onde devo começar?

Um idoso asiático agachado próximo a uma bicicleta.

Talvez você esteja se perguntando qual a maneira mais fácil de começar com tudo isso.

Se você fosse iniciar com apenas um movimento, qual seria a melhor opção?

Resposta fácil: comece a cultivar o hábito de realizar agachamentos.

Há muitos benefícios em praticar esse movimento simples:

  • Aumento da flexibilidade do joelhos, tornozelos e quadris
  • Melhoria do processo digestivo
  • Melhoria da circulação na parte inferior do corpo
  • Aumento da altura dos saltos verticais

Agachamentos são incrivelmente benéficos para a nossa saúde.

Eles são a uma excelente porta de entrada para um estilo de vida mais dinâmico e divertido. Use e abuse deles!

Conclusão

Leão

Esse foi um longo artigo. Parabéns por ter chegado até aqui!

Isso mostra o seu interesse sincero em escapar do sedentarismo e reinventar a sua própria vida.

Torço para que você comece a entrar em ação agora mesmo!

Se você gostou do artigo e acha que ele também pode ser útil aos seus amigos eu peço que você o compartilhe nas redes sociais (use os botões acima).

Eu também gostaria muito de ouvir a sua opinião sobre o artigo nos comentários abaixo. O seu comentário é muito importante para que eu possa tornar os futuros artigos cada vez melhores e mais úteis para você.

Comente abaixo e conte-me as suas impressões, dúvidas ou sugestões. 🙂

E para não perder os próximos artigos não deixe de colocar o seu e-mail no campo abaixo, assim você receberá todas as novidades em primeira mão.

Espero que você tenha gostado do artigo e que tire o máximo de proveito de tudo o que foi transmitido nele.

Acredite, colocar tudo isso em prática pode revolucionar a sua vida!

Um grande abraço e até breve!

  • patriciadaibes

    Mais um excelente texto, André! Um tapa na cara, que somente algumas horas após ler o texto já me fez deixar a preguiça de lado e levantar da cadeira várias vezes, hoje, durante o meu dia de trabalho para me movimentar. Em casa fiz uns segundos de agachamento também. 😉 Acho um absurdo eu ter 28 anos e estar cheia de dores nas costas…

    • Obrigado, Patricia!

      Isso é bom, muito bom! Espero que essas iniciativas se repitam hoje também. E amanhã, e depois… Com agachamentos e com quaisquer outros movimentos que a coloquem em ação. E assim as coisas vão se transformando, “pouco a passo” e “passo a pouco”, sem grandes exigências.

      Obrigado por aceitar o convite para deixar o seu comentário aqui. Significa muito para mim!

      Um abraço e tudo de bom!

  • Vinícius Freitas

    Sempre muito bom, meu amigo. Minha vida realmente tem melhorado a medida que sigo as dicas que você dá no seu site. Claro que tudo tem uma adaptação a minha própria realidade, mas funciona mesmo.

    • Muito bom ouvir isso, Vinícius! 🙂

      Adaptações serão sempre necessárias e sábio é aquele que as realiza habilmente. Vá fundo, faças as adaptações necessárias e comece a entrar em ação. Mais movimento significa mais vida e ninguém precisa gastar dinheiro algum para obter esse benefício.

      Divulgue entre os seus amigos, compartilhe a ajude a espalhar a palavra! 😉

      E vamo que vamo!

  • Rodrigo Vieira

    Eu acredito que seja uma discussão muito interessante, André. A pessoas hoje fazem vão a academia, e lá fazem uma hora de corrida, “spinning” pilates e etc – e acham que é o suficiente! Acham que são perfeitamente saudáveis! Mal sabem elas o que os nossos ancestrais faziam antigamente todos os dias…

    E uma coisa que pode ajudar MUITO nos nossos dias atuais são os “relógios inteligentes”, afinal acho que todos aqui ja conhecem o Apple Watch e relógios do tipo – um relógio desse tipo contando seus passos é um ótimo motivador a se manter saudável diariamente, não acha?

    Os especialistas recomendam na faixa dos 10.000 passos por dia, o que pode não ser algo tão fácil, mas se aplicarmos os conceitos de progresso moderado e consistente que você tanto bate na tecla, é simples e até fácil adicionar esse hábito (de andar 10.000 passos por dia) a nossas rotinas.

    No mais, parabéns por mais um excelente artigo!

    • Obrigado por mais uma participação, Rodrigo. Você sempre na área! 🙂

      O Apple Watch talvez seja mesmo um bom motivador para que as pessoas se movimentem mais, embora eu, particularmente, tenha tentando usar cada vez menos eletrônicos em meu dia a dia. Eu gosto muito desses brinquedos, então tenho tentado manter certa distância afim de ganhar um pouco mais tempo para estudos e outras atividades. Mas, sem dúvida, há muita pessoas que podem obter um benefício tremendo com esses dispositivos!

      Um grande abraço e vamos conversando!

      • Rodrigo Vieira

        Opa André! Se bem que eu concordo plenamente com você: ter um “mini-computador” a “uma esticada de braço” de distância… só os mais produtivos, focados e concentrados conseguem suportar!

        Na verdade eu citei o Apple Watch por ser o mais conhecido e mais recente, mas na verdade existem várias pulseiras que contam seus passos, e que são apenas pulseiras (não são um mini-computador, haha). Eu mesmo estou louco pra comprar um Activité Pop, me apaixonei!

        E também, devido ao fato de trabalharmos com eletrônicos, acho que nunca estaremos livres deles, hahaha.

        Tudo de bom André!

        • Fala, Rodrigo!

          Jamais estaremos livres dos eletrônicos mesmo, mas é boa idéia manter distância de alguns deles, não é mesmo? É isso o que tenha feito! 🙂

          Te agradeço demais a troca de idéias. Seja sempre bem-vindo!

          Um forte abraço!

  • Simone

    Descobri recentemente que “estou” com hipertensão, mas suas palavras me incentivam muito, e ponho em prática muitas delas.Obrigado Anjo!

    • Obrigado pelas palavras, Simone. São muito mais do que mereço! 🙂

      Fico feliz que as minhas idéias a estejam incentivando a viver melhor. É esse o meu único objetivo com esse trabalho. Permaneça por perto, pois estou sempre publicando novidades.

      Um abraço. Torço por você!

  • Lua

    Ao longo da vida sempre fui muito brincalhona e muito das dicas que encontrei aqui já realizava sem pensar muito no pq. Fazia uma pausa nas tarefas e convidava um colega, criança ou amigo a ir até a outra sala imitando um macaco. Sem motivo, apenas por diversão e sentir o corpo em movimento. Com o tempo a ansiedade e a depressão começou a mudar minha rotina e meus hábitos. Hoje encontrei teu blog e li alguns artigos. Me sinto motivada a viver melhor. Obrigada por disponibilizar esse conteúdo gratuito para pessoas como eu que as vezes acham que as coisas não tem mais solução a encontrar elas nas pequenas coisas do dia a dia. Só depende de nós mesmos. Não sei como agradecer de uma forma menos dramática, mas seu conteúdo pode transformar vidas frustradas em viver bem. Obrigado <3

    • Lua, o conteúdo é todo seu e é escrito para você. Me alegra muito saber que os meus textos a a motivaram a “viver melhor” e torço de todo o coração para que esse motivação persevere no seu coração. A verdade é que as pequenas coisas, aparentemente desimportantes e insignificantes, são um caminho seguro para transformar a vida. No fundo nós sabemos disso, mas as complicações da vida adulta costumam ofuscar o brilho das coisas mais simples. Espero que já esteja entrando em movimento outra vez!

      Um abraço e obrigado pelo excelente comentário. Fiquei sempre por perto!

  • Patricia Couto

    To amando o texto. Ainda to no passo 1, mas fiz questão de vir aqui comentar. To excitada para lê-lo. Quero degustar cada passo a passo! Volto depois pra comentar no final.

  • Sillas Xavier

    Ótimo artigo, André.

    Eu antigamente não conseguia ficar agachado por longos períodos mas hoje isso mudou. Hoje em dia, se estou, por exemplo, esperando o ônibus, permaneço agachado. Recebo vários olhares estranhos, um rapaz jovem com roupa social que poderia muito bem sentar-se ao banco do ponto de ônibus, agachado. Também agacho para descascar frutas, agacho durante o banho e brinco na barra que tenho na porta do meu quarto. A sociedade atualmente é muito contraditória, um exemplo disso são as pessoas que vão à academia e fazem exercícios de subir escadas e logo ao chegar ao escritório, shopping ou casa, usam o elevador em vez de usar as escadas. Pagam um treinador para passar uma série de “subir escadas” e na primeira oportunidade de subir uma bela escadaria, preferem entrar num local confinado e ser “despejada” no próximo andar. Sobre subir escadas, já ouvi a desculpa de “vou ficar suado”, outro ponto que deixa claro o imediatismo. Poxa, é só subir menos andares de escada ou mesmo subir devagar, de acordo com o preparo físico. Um vídeo muito interessante com abordagem do movimento integral, em português: https://www.youtube.com/watch?v=6WHeA6LvMwg&t=1s